Participamos do

Empresa não disponibilizou coletes salva-vidas em AL; famílias aguardam liberação dos corpos das vítimas

Duas idosas morreram em naufrágio de catamarã em Maragogi, litoral de Alagoas
12:41 | Jul. 28, 2019
Autor Gabrielle Zaranza
Foto do autor
Gabrielle Zaranza Estagiária de Agenda Cultural do Vida&Arte
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A empresa Maragales, responsável pela embarcação Tô A Toa, que naufragou em Maragogi, no Alagoas, resultando na morte de duas idosas cearenses, não disponibilizou coletes salva-vidas para o passeio. Além disso, de acordo com filho de uma das vítimas, o naufrágio teria sido motivado por ondas e vento forte, e não por suposta colisão com pedras. O empresário Tarcísio Gomes da Silva estava na embarcação. A mãe dele, Lucimar Gomes da Silva, 69 anos, morreu no naufrágio.

“Quando chegamos na embarcação, foi a primeira coisa que pedimos (os coletes), mas não deu tempo, e eles falaram que iam dar depois. Não sei como se permite uma embarcação sair sem colete”, relata Tarcísio Gomes. Ele conta que, no momento do naufrágio, as vítimas teriam se segurado em boias para se salvar, além de terem auxiliado uns aos outros. Tarcísio é proprietário da agência cearense que levou a excursão, Simbora Vip Tur.

Tarcísio é contrário a versão do Corpo de Bombeiros de que o catamarã teria colidido com pedras. De acordo com ele, as ondas e o vento forte derrubaram a embarcação. “Não houve colisão com nada, não sei quem disse isso. Estávamos indo mar adentro, e batia muita onda. Passou uma onda e o barco inclinou”, lembra. A vítima revela, ainda, ter questionado o capitão a respeito da segurança de manter o passeio. “Perguntei ao capitão se era seguro ir, e ele ficou quieto”, disse. “O barco continuou inclinando, até que virou. Foi tudo muito rápido”, finaliza.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O empresário, que, na manhã deste domingo, 28, esteve em uma delegacia de Maceió fazendo Boletim de Ocorrência, permanece inconformado com a situação. “Eu não entendo por que aconteceu isso, tô sem chão. Meus filhos estavam na embarcação também, eles presenciaram tudo. Fiquei sabendo que estava proibido sair de barco no dia, se estava, por que saíram? Como oferecem um serviço que não podem fazer?”, questiona.

A Marinha, por meio da Capitania dos Portos de Alagoas (CPAL), lançou comunicado informando elevação das ondas em alto mar em toda área marítima do estado de Alagoas entre a noite do dia 28 de julho e o dia 29 de julho. “A Capitania dos Portos de Alagoas recomenda aos navegantes de embarcações de pequeno e médio porte, que evitem navegar no mar nestes dias, bem como aos demais responsáveis por outros tipos de embarcações, que tenham redobrada atenção quanto ao material de salvatagem, estado geral dos motores e casco, bomba de esgoto do porão, equipamentos de rádio, dentre outros itens de segurança”, diz nota.

Agora, Tarcísio pede que o Instituto Médico Legal (IML) realize a liberação do corpo da vítima, para que eles possam retornar ao Ceará. “Só liberam se tiver documento, mas foi tudo perdido no mar. Então estou tendo que fazer um B.O”, contou em entrevista ao O POVO, por voltas das 11 horas deste domingo, 28. O POVO tentou contato com os responsáveis pela empresa Maragales, mas não obteve retorno. 

Naufrágio

As turistas cearenses Lucimar Gomes da Silva, 69 anos, e Maria de Fátima Façanha da Silva, 65 anos, morreram no naufrágio na tarde do último sábado, 27, em Maragogi, litoral de Alagoas. A identidade das vítimas foi informada pelo Grupamento de Salvamento Aquático do Corpo de Bombeiros. Duas outras pessoas receberam atendimento médico. No barco estavam turistas do município de Eusébio, na Região metropolitana de Fortaleza.

O barco transportava 52 turistas, além de seis tripulantes e dois palestrantes. Quando o acidente aconteceu, a embarcação estava a cerca de 1,5 quilômetro (km) da margem. Uma das mulheres morreu no local do acidente. A outra faleceu a caminho da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), a pouco mais de 1 quilômetro (km) da praia. Demais passageiros sofreram escoriações leves e arranhões.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags