PUBLICIDADE
Noticia

Sábado de Carnaval é marcado por baixa movimentação em Aracati

Decreto realizado pelo prefeito de Aracati, Bismarck Maia (PTB), proíbe festas e regula o consumo de bebidas alcoólicas no Município

22:29 | 13/02/2021
Barreira sanitária estava sendo realizada na entrada do município de Aracati (Foto: (FOTO: Fábio Lima))
Barreira sanitária estava sendo realizada na entrada do município de Aracati (Foto: (FOTO: Fábio Lima))

As vias da CE-040, que ligam Fortaleza a municípios cearenses com tradição carnavalesca, davam o primeiro sinal de que o tradicional "sábado de carnaval" seria diferente em 2021, no litoral cearense. As longas filas de carros deram lugar a um trânsito moderado, apresentando lentidão apenas nas proximidades da base da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), em Aquiraz.

Em Aracati, o retrato de um ano pandêmico restou escancarado nas ruas da cidade. O tradicional polo carnavalesco cearense viveu um dia atípico. Sem foliões e sem o famoso “mela-mela”, Paulo Pereira, 33 anos, que trabalha há 14 anos no centro da cidade, conta que nunca viu a cidade assim durante o período de carnaval.

"É como se o Aracati tivesse vivendo um feriado fechado, do tipo que não requer festa. Nunca tinha acontecido isso, mas não vivemos só de festa. A pandemia continua, acho que o decreto tem o seu valor", explica.

O comerciante, que trabalha com a venda de galetos e gelo, conta que não é possível fazer comparações sobre os resultados obtidos durante o ano passado em relação ao mesmo período em 2021.

"O movimento caiu muito. O movimento é muito maior no período de carnaval. O comércio perdeu. Temos uma empresa de gelo. Em 2020, tivemos uma venda histórica, não consigo calcular, mas foi o nosso melhor ano. Agora, não tem como comparar, a gente não vendeu nada", lamenta.

LEIA TAMBÉM| Polícia dispersa aglomeração na APA do Rio Pacoti, no Porto das Dunas

Se em 2020 o município chegou a receber cerca de 200 mil pessoas por noite, neste ano, a ausência de turistas foi sentida pelos moradores da cidade. Sem blocos na rua, o eletricista Antônio Bento da Silva, 48 anos, optou por passar o sábado de carnaval apenas observando a baixa movimentação na praça onde está localizada a igreja matriz do município.

"Esse ano está fraco demais, não dá nem pra dizer que teve carnaval. Não apareceu ninguém, só vi o pessoal da cidade mesmo. É triste, mas eu concordo com o que está sendo feito. Em outros tempos, o movimento por aqui já estaria grande, ia ter muita barraquinha vendendo coisa, é outro mundo", relata.

Na principal via de Aracati, Avenida Coronel Pompeu, que outrora serviu de passagem para os trios elétricos de cantores como Wesley Safadão, Thiaguinho, Xand Avião e até mesmo Anitta, o cenário era igual ao encontrado no restante da cidade. Os trios elétricos deram lugar ao carrinho do ambulante Vinícius Erick, 25 anos, que reconhece um clima estranho na cidade.

"Está tudo muito diferente, é estranho Aracati sem carnaval. Em um ano normal, o movimento estaria no meio do mundo, com muito som e muito barulho. A gente também sente nas vendas. Eu sou ambulante, esses eventos ajudam muito. Estou arrecadando menos de 70% do que arrecadei no ano passado", relata.

LEIA TAMBÉM| Beberibe, destino comum durante o Carnaval, tem pouca movimentação neste sábado

Os que buscavam acessar o município de Aracati se depararam com uma barreira sanitária realizada pela Guarda Municipal e por policiais do Comando Tático Motorizado (Cotam) da Polícia Militar do Estado do Ceará (PMCE).

Os agentes informaram à reportagem do O POVO que a operação transcorreu sem maiores problemas. Carros e vans com mais de cinco pessoas dentro do veículo eram impedidos de seguir viagem.

Próximo ao local da operação estava Cleiton Maia, 28 anos, que trabalha como frentista em um posto de combustível. Para ele, o bloqueio conseguiu ser efetivo.

"Acredito que a presença dos policiais ajuda muito no controle. O número de carros é muito menor se a gente comparar com os outros anos. Trabalho nesse ponto desde 2017, a movimentação está bem fraca", conta.

Em meio à calmaria, Antônio Ferreira dos Santos, 53 anos, destacava-se com o seu chapéu roxo com detalhes brilhantes. Dançante, Antônio lamentou o fato de não haver carnaval este ano. "Tristeza" foi a palavra utilizada para definir o momento.

Com o cair da tarde, as ruas costumeiramente movimentadas ficaram ainda mais desertas. Sem foliões, sem trios elétricos e sem carnaval. 

LEIA TAMBÉM| Em Aquiraz, barreiras impedem desde ônibus fretados, carros com mais de 5 pessoas ou quem não resida no município