PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Maior bancada, PDT tem seis candidatos à presidência da Câmara

| LEGISLATIVO MUNICIPAL | A sucessão de Salmito Filho terá como prioridade candidato do partido, mas ainda não há consenso; base se movimenta em busca de nome alternativo

01:30 | 09/11/2018

A busca por um consenso nos nomes que devem compor a nova mesa diretora, incluindo a presidência da Câmara Municipal, está presente nas falas dos vereadores quando indagados sobre a eleição que se aproxima. Contudo, a disputa pela cadeira ocupada atualmente por Salmito Filho (PDT), eleito para a Assembleia Legislativa, está acirrada.

 

Com 11 vereadores, o PDT possui a prioridade para essa escolha. Desses, seis apresentaram os nomes para a disputa. São eles: Adail Júnior, Antônio Henrique, Didi Mangueira, Elpídio Nogueira, Iraguassu Filho e Renan Colares. "É um entendimento que eu creio que é consensual na Câmara que a maior bancada tenha a preferência para a indicação do presidente e o restante da mesa será preenchido dentro da proporcionalidade das bancadas", explica o líder do governo na Casa, Esio Feitosa (PPL).

 

Na primeira vice-presidência há oito anos, Adail Júnior confirma a candidatura e diz que a decisão deve ser tomada em reunião do partido nos próximos dias. "A gente está conversando, aguardando a presidência municipal (do PDT, Roberto Cláudio), aguardando o presidente (Salmito Filho). Estamos encaminhando", explica.

 

Após deixar o comando da Regional 3, o vereador Antônio Henrique é um dos nomes mais fortes para assumir a presidência. "O meu nome está posto por mim, porque tenho interesse, mas muito mais por colegas vereadores da Casa do que mesmo uma coisa que eu estou defendendo", afirma o vereador, que diz que todas as candidaturas ainda são informais.

 

Também de volta à Câmara Municipal depois de ser titular da Secretaria de Direitos Humanos e Desenvolvimento Social, Elpídio Nogueira apresenta discurso de candidato. "Eu tenho algumas ideias aqui na Câmara que eu tenho conversado com alguns vereadores. (...) Eu estou me preparando. Já passei pela mesa diretora, já passei pela gestão (...) e tenho uma relação muito boa com os vereadores", relata. Contudo, o nome do ex-secretário teria resistência entre os vereadores. Caso indicado pelo PDT, deve haver um maior "desgaste político" para ser aprovado, conforme fonte ouvida pelo O POVO.

 

Nos corredores, os vereadores afirmam ser improvável uma unificação do PDT em torno de um candidato, já que o prefeito Roberto Cláudio (PDT) se comprometeu, em reuniões com as diversas bancadas, a não impor nenhum nome. Parlamentares acreditam que outras lideranças pedetistas, como o senador eleito Cid Gomes ou o atual presidente da Casa Salmito Filho, também não devem tentar emplacar uma das candidaturas.

 

Com mais da metade da bancada pedetista pleiteando a sucessão na presidência e sem sinais de que algum declinará de sua candidatura em favor de outra, o restante dos partidos da base aliada começa a se movimentar para também lançar um concorrente à presidência. Entres os nomes citados, que 'correm por fora', estão os dos vereadores Esio Feitosa, Gardel Rolim (PPL) e Dr. Portinho (PRTB).

 

A eleição ocorrerá apenas no dia 3 de dezembro. Contudo os vereadores apontam que a decisão quanto ao nome deve ser tomada, no mais tardar, no final da próxima semana. Após isso, deve ser iniciada a formação do restante da mesa-diretora, já que parlamentares da base e da oposição concordam que não deve haver confronto direto entre diferentes chapas.

 

"Nós estamos tratando de presidir um poder, (então) é melhor que seja consensualmente, que todas as forças estejam representadas nessa chapa", acredita Didi Mangueira. "Da parte da bancada do PT não existe um obstáculo à possibilidade de construção de uma chapa consensual para a presidência da Câmara a depender da pessoa", concorda o vereador da oposição, Guilherme Sampaio (PT). "O problema não é a nossa posição quanto a um ou outro nome, o problema é a quantidade de nomes colocados", explica ainda o petista.

 

Nomes do PDT que estão na disputa

 

Adail Júnior

Exercendo seu terceiro mandato, o vereador está também na primeira vice-presidência da Casa há oito anos. Filiado ao PDT, exerceu metade do mandato pelo PRP e mudou-se para o PV em 2011 e para o PDT em 2016.

 

Antônio Henrique

Um dos nomes mais cotados dentro do partido, o antigo titular da Regional 3 voltou à Câmara Municipal para participar das eleições para a presidência da Casa. Antes disso, foi por duas vezes membro da mesa diretora, como terceiro secretário.

 

Didi Mangueira

No quinto mandato na Câmara Municipal, o vereador Didi Mangueira exerce a segunda vice-presidência da Casa e também apresentou o nome para concorrer à cadeira da presidência.

 

Elpídio Nogueira

Vereador eleito de Fortaleza para o sexto mandato pelo PDT, ele retornou à Casa para concorrer à presidência, após deixar a Secretaria dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social Municipal. Também já comandou a pasta de Turismo e foi da mesa diretora da Câmara como vice-presidente e primeiro secretário, além de ter se candidatado outras vezes para presidente.

 

Iraguassu Filho

Exerce mandato como vereador pela primeira vez, tendo sido o quinto mais votado nas eleições municipais de 2016. Foi também secretário-executivo do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente do Estado (Conpam), e da então Secretaria Municipal do Trabalho, Desenvolvimento Social e Combate à Fome (Setra).

 

Renan Colares

Foi o sexto vereador mais votado de Fortaleza em 2016, conquistando o primeiro mandato na Câmara Municipal. Antes disso, exerceu o cargo de secretário-executivo do Planejamento, Orçamento e Gestão da Prefeitura de Fortaleza.

 

Nomes que correm por fora

 

Esio Feitosa (PPL)

Líder da base aliada do prefeito na Câmara dos Vereadores, é considerado o braço direito de Roberto Cláudio (PDT) na Casa. Ainda no primeiro mandato como vereador, já ocupou o cargo de secretário da Regional VI da Capital.

 

Gardel Rolim (PPL)

Parte da base governista, o vereador exerce o primeiro mandato na Câmara Municipal. Em 2018 esteve licenciado por 120 dias, mas já retornou à Casa e também é apontado como concorrente à presidência.

 

Dr. Portinho (PRTB)

Exercendo primeiro mandato como vereador, Dr. Portinho é outro nome da base aliada cotado como possibilidade de candidatura. Já atuou como superintendente do Instituto de Previdência do Município (IPM).

 

 

LUANA BARROS