Participamos do

Ministros da Suprema Corte também reagiram a vídeo

Resposta. Judiciário
01:30 | Out. 22, 2018
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

 

O ministro Marco Aurélio  Mello, do Supremo Tribunal Federal(STF), classificou de “muito ruim” o conteúdo do vídeo de Eduardo Bolsonaro. Para o magistrado, são “tempos estranhos” e o conteúdo da declaração denota que “não se tem respeito pelas instituições pátrias”. “Vamos ver onde é que vamos parar”, complementa.

 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

“Tempos estranhos, vamos ver onde é que vamos parar. É ruim quando não se tem respeito pelas instituições pátrias, isso é muito ruim”, disse o ministro Marco Aurélio Mello. Questionado se a declaração poderia evidenciar uma afronta à separação entre Poderes, ele respondeu: “Não sei, pois é o estágio da nossa democracia, né? Vamos aguardar as eleições para ver o que ocorrerá em 2019. É tempo de temperança, importante é as instituições funcionarem”.

[QUOTE1] 

Na véspera do primeiro turno das eleições, o ministro já havia dito que estava preocupado com o rumo das eleições e via risco para a democracia, uma vez que o País está defrontado “com extremos de populismo de direita e de esquerda”.

 

“Se fizermos um levantamento do que já ocorreu no País, vamos ver que o risco é sempre latente. Mas eu não imaginava cogitar-se, por exemplo, de um governo composto em termos de titularidade, em termos de vice-presidente da República, em termos de auxiliares, por militares.  Admiro os militares, mas que estejam sempre na caserna”, disse o ministro na ocasião.

 

Ao responder sobre o caso, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e também ministra do STF, Rosa Weber, disse que juízes não se deixam abalar por manifestações inadequadas. “As instituições estão funcionando normalmente e juiz algum no Brasil, que honra seu ofício, se deixa abalar por qualquer manifestação que eventualmente possa ser compreendida como de todo inadequada.”

AE

 


 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente