Participamos do

Em primeira entrevista após atentado, Bolsonaro defende Paulo Guedes

| Por telefone | O candidato afirmou à Folha de S. Paulo que Guedes "segue firme" em sua campanha
01:30 | Set. 22, 2018
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Na primeira entrevista que concedeu após sofrer atentado a faca, o candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, saiu em defesa de Paulo Guedes, seu principal conselheiro na área econômica. O presidenciável conversou com a Folha de S. Paulo e afirmou que "o Paulo segue firme" em sua campanha, após polêmica ao longo desta semana.

 

Guedes sinalizou intenção de unificar os impostos federais em um tributo único que seria cobrado aos moldes da antiga CPMF - extinta em 2007. A ideia se opõe ao que vinha defendendo o presidenciável, que defende corte e não aumento dos tributos. Após repercussão negativa, circularam informações de que Guedes foi enquadrado e teria sido orientado a reduzir presença em atos públicos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

 

Na entrevista que concedeu por telefone, de dentro do Hospital Albert Einsten, em São Paulo, Bolsonaro afirmou que Guedes, a quem chama de "Posto Ipiranga", nunca defendeu a volta da CPMF. "Isso é uma distorção. Ele apenas está estudando alternativas. Tudo terá de passar pelo meu crivo", afirmou à Folha de S. Paulo.

 

O militar ainda minimizou os efeitos negativos da fala de Guedes em sua campanha. "Olha, ele não tem experiência política. O cara dá uma palestra de uma hora, fala uma coisa por segundos e a imprensa cai de porrada nele", defendeu.

 

Bolsonaro reclamou dos ataques feitos pela campanha do PSDB. "Vejo com muita tristeza o Geraldo Alckmin, uma pessoa em quem já votei. Ele pegou pesado. Eu não esperava isso dele, mas a verdade é que ele não é diferente do PT", disse.

 

Na manhã de ontem, Bolsonaro divulgou vídeo no qual agradece o apoio que tem recebido e diz que deve ter alta até o final do mês. "Nunca me senti tão bem em toda a minha vida. Meu muito obrigado a todos vocês. Até o final do mês, se Deus quiser, estarei de alta, onde então juntos enfrentaremos o 7 de outubro, novo marco no rumo do nosso Brasil", afirmou o candidato.

 

Conforme boletim médico divulgado pelo hospital, Bolsonaro iniciou ontem uma dieta pastosa com "ótima aceitação". Antes, ele estava sendo alimentado por via oral apenas com dieta líquida, além de receber alimentação pela veia. A dieta pastosa foi iniciada após recuperação dos movimentos intestinais, de acordo com o hospital.

Com agências

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente