Participamos do

Psol pede cassação de Alberto Fraga por postagens sobre Marielle

Sigla denuncia quebra de decoro do parlamentar, por divulgação de informações falsas sobre vereadora assassinada
01:30 | Mar. 22, 2018
Autor Gabrielle Zaranza
Foto do autor
Gabrielle Zaranza Estagiária de Agenda Cultural do Vida&Arte
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
[FOTO1]

O Psol protocolou na tarde de ontem, uma representação no Conselho de Ética da Câmara Federal contra o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) onde pede a cassação do mandato por abuso de prerrogativas asseguradas aos membros do Congresso Nacional. O partido acusa o parlamentar de quebra de decoro por ter divulgado informações falsas sobre a vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), executada na semana passada na capital fluminense.


Na última sexta-feira, 16, Fraga publicou no Twitter comentário onde apontou suposta relação entre Marielle e uma organização criminosa. “Conheçam o novo mito da esquerda, Marielle Franco. Engravidou aos 16 anos, ex-esposa de Marcinho VP, usuária de maconha, defensora da facção rival e eleita pelo Comando Vermelho, exonerou recentemente seis funcionários, mas quem a matou foi a PM”, escreveu.


A postagem foi removida de seu perfil no domingo, 18, após protestos dos internautas. “Apagar a postagem não apaga o mal feito”, comentou o deputado Chico Alencar (Psol-RJ).

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O presidente do Conselho, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), informou à bancada do Psol que se a Secretaria Geral da Mesa liberar a representação até a próxima segunda, 26, será possível instaurar o processo no dia seguinte. “O que posso garantir é a celeridade no processo”, disse o deputado, reconhecendo a gravidade da situação denunciada.


Também ontem, o papa Francisco telefonou para a mãe de Marielle Franco, segundo afirmou no Twitter a Fundación Alameda, liderada pelo amigo pessoal do pontífice Gustavo Vera. A Fundação detalhou que em um primeiro momento a filha de Marielle escreveu uma “afetuosa carta” a Francisco, que chegou ao pontífice através do argentino Gustavo Vera.


Posteriormente, o papa tentou entrar em contato com Luyara Santos, filha de Marielle, mas finalmente falou com a mãe da vereadora através de uma ligação telefônica, na qual comunicou seu afeto e solidariedade.


A quarta-feira também contou com homenagens à Marielle Franco. Grupos culturais e movimentos sociais de luta antirracista marcharam ontem nas ruas do centro do Rio para marcar o Dia Internacional contra a Discriminação Racial. Saindo do Cais do Valongo, os participantes passaram por diversos pontos da cidade que se relacionam com a história da população negra.


Ao longo do trajeto, houve declamações de poemas, performances e variadas homenagens, uma delas à Marielle, que se destacava pela luta contra o racismo.

Com agências

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente