PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

Vice do Fortaleza ironiza reclamações sobre presença de torcida: "Imagina com 50 mil"

Vice-presidente do Tricolor do Pici, Marcello Desidério, rebateu reclamações e afirmou que o clube cearense segue rigorosamente o protocolo da CBF

Lucas Mota
10:23 | 09/10/2020
Marcello Desidério é o vice-presidente do Fortaleza. (Foto: Mateus Dantas / O Povo) (Foto: MATEUS DANTAS)
Marcello Desidério é o vice-presidente do Fortaleza. (Foto: Mateus Dantas / O Povo) (Foto: MATEUS DANTAS)

A presença de dirigentes do Fortaleza nas arquibancadas do Castelão, na partida diante do Atlético-MG, voltou a ser assunto após comentário do zagueiro Réver, na derrota para o Leão por 2 a 1. "O estádio era para estar vazio, mas a gente vê que na maioria das vezes está cheio, tem uma certa pressão", disse o jogador.

+ Sem espaço no Fortaleza, Marcelo Boeck entra na mira do Paysandu

O vice-presidente do Tricolor do Pici, Marcello Desidério, rebateu e afirmou que o clube cearense segue rigorosamente o protocolo da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Segundo o dirigente, o Fortaleza envia previamente à CBF a lista com as pessoas do clube autorizadas a estarem no Castelão, entre jogadores, membros da diretoria e staff.

"A não ser que a CBF mude a regra para incluir a censura a manifestação de pensamento e a liberdade de expressão no protocolo de combate a Covid-19", publicou em sua conta oficial no Twitter.

"O protocolo é para impedir a contaminação pela Covid-19 causada pelo coronavírus. O protocolo não é para censurar ou impedir manifestação legítima de quem está autorizado e se encontra acomodado em local apropriado", continuou.

Por fim, o vice-presidente do Leão ironizou a cobertura sobre a derrota do Atlético-MG e as reclamações sobre as manifestações dos dirigentes nas arquibancadas, apoiando o próprio time.

"Se o CAM 'só perdeu', como sustenta a mídia sulista, por conta da 'injusta' pressão de meia-dúzia de pessoas zuadando, imagina com 50.000 tricolores na arquibancada gritando, cantando e vibrando", concluiu.

Quando o Fortaleza bateu o Internacional, então líder da Série A na ocasião, o vice-presidente do clube gaúcho, Alessandro Barcelos, reclamou da presença de mais de 80 pessoas nas arquibancadas.

"O pênalti foi pênalti, no mínimo igual ao pênalti do Rodinei. A arbitragem foi ao VAR e tomou pressão aqui. Um jogo sem coordenação maior da CBF. Tinha mais de 80 pessoas nas arquibancadas do Ceará e isso é inadmisível", disse o cartola.

Na ocasião, o Tricolor soltou nota de esclarecimento após as declarações do cartola gaúcho.

"O Fortaleza Esporte Clube vem cumprindo com todo o protocolo estabelecido pela CBF em dia de jogos. Reiteramos ainda que seguimos rigorosamente o protocolo do Governo do Estado, além das diretrizes da CBF, com o acompanhamento direto da diretoria responsável. A relação com todos que trabalham em dia de jogos é enviada para a CBF e conferida atentamente na checagem que acontece na Arena Castelão para a distribuição dos crachás de acesso."

Relação do Fortaleza enviada à CBF para as partidas:
42 entre atletas, comissão técnica e diretores
42 profissionais do staff
9 médicos e enfermeiros
4 gandulas
4 maqueiros
9 membros da Federação
4 membros da CBF
42 da equipe visitante
15 de arbitragem e VAR