PUBLICIDADE
Clube de Regatas Flamengo
NOTÍCIA

Após demissão, Flamengo terá que pagar multa integral a Rogério Ceni; entenda

O Rubro-Negro anunciou a saída do ex-goleiro do comando na madrugada do último sábado, 10, e contratou Renato Gaúcho para substituí-lo

Lucas Mota
20:08 | 12/07/2021
Técnico Rogério Ceni foi demitido pelo Flamengo no último sábado, 10/7 (Foto: Staff images /CONMEBOL)
Técnico Rogério Ceni foi demitido pelo Flamengo no último sábado, 10/7 (Foto: Staff images /CONMEBOL)

O técnico Rogério Ceni rejeitou acordo proposto pelo Flamengo após demiti-lo. O clube carioca terá que pagar integral ao treinador por quebra de contrato, conforme informações divulgadas pelo O Globo. O Rubro-Negro anunciou a saída do ex-goleiro do comando na madrugada do último sábado, 10, e contratou Renato Gaúcho para substituí-lo. 

Leia também:

Na reunião com o até então técnico, a diretoria do Flamengo propôs acordo para Ceni deixar o cargo sem ser demitido, o que foi rejeitado. Desta forma, o clube da Gávea não poderá desligar mais nenhum técnico até o final da Série A, segundo regra da CBF. O ex-comandante tinha contrato com a equipe carioca até dezembro de 2021 e R$ 3 milhões para receber.

De acordo com O Globo, Ceni recebia parte na carteira e parte como prestador de serviço, com direito de imagem, algo comum nas relações trabalhistas no futebol. Como demitiu o treinador, o Flamengo precisa pagar a multa por quebra de contrato em cima do valor na carteira.

A demissão do treinador foi comunicada pelo clube exclusivamente no Twitter, na madrugada do útlimo sábado. "O Clube de Regatas do Flamengo informa que não continuará com Rogério Ceni à frente do time principal. O Clube agradece pelos serviços prestados e deseja sucesso nos próximos desafios", informou o clube na ocasião.

A decisão pela saída de Ceni foi tomada pela diretoria do Flamengo após o vazamento de um áudio, na sexta-feira, 9, de um analista de escaltes do time, Roberto Drummond, fazendo duras críticas ao agora ex-treinador da equipe. Além de detonar o trabalho de Rogério e de sua comissão, o também ex-membro do Centro de Inteligência e Mercado do Flamengo (CIM) — foi demitido com o episódio — afirmou que Rogério forçava a barra para a contratação de jogadores que estão ou já foram do Fortaleza (quando ele treinou o time do Pici).