PUBLICIDADE
Cearenses
Noticia

Miniguia do acesso: Ceará e Fortaleza chegam a decisões no Brasileirão Feminino A-2

Saiba como chega cada um dos times para os duelos e quem são as jogadoras destaque da competição. Alvinegras encara o Botafogo-RJ, enquanto as Leos duelam com o Bahia

Iara Costa
16:28 | 04/12/2020
Ceará e Fortaleza podem alcançar o acesso para a Série A-1 caso passem para a semifinal do Brasileirão A-2 (Foto: Thais Pontes/ Fortaleza EC e Pedro Chaves/ Ceará SC)
Ceará e Fortaleza podem alcançar o acesso para a Série A-1 caso passem para a semifinal do Brasileirão A-2 (Foto: Thais Pontes/ Fortaleza EC e Pedro Chaves/ Ceará SC)

Há três e dois anos, respectivamente, torcedores alvinegros e tricolores usufruem do fato de ter os dois times na elite do futebol brasileiro. Com participação fincada na Série A do futebol masculino, agora as equipes têm a oportunidade de ter levar os elencos femininos para a primeira divisão do País. A decisão começa para o Fortaleza no próximo domingo, 6, às 15 horas, quando as Leoas recebem o Bahia no estádio Raimundão, em Caucaia, no jogo de ida das quartas de final. Já o Ceará estreia na mesma fase no dia 13 de dezembro, quando vai até o estádio Nilton Santos enfrentar o Botafogo-RJ às 15 horas. Quem avançar dos confrontos ascende à elite. 

O caminho até o acesso não promete ser fácil para nenhuma das duas equipes. Embalado por estar invicto na competição, o Esquadrão de Aço, rival das Leoas, possui sete vitórias até o momento, com 27 gols marcados e somente dois tentos sofridos. Já no caso do Ceará, embora o Glorioso esteja passando por crise administrativa, o elenco feminino se mantém mais competitivo que o masculino, atual vice-lanterna do Brasileirão. A equipe carioca possui cinco vitórias no certame, um empate e somente uma derrota, tendo marcado 14 gols e sofrido sete.

Jogadoras de destaque de Ceará e Fortaleza

Para superar o Alvinegro Carioca, contudo, o Ceará possui a atacante Michele. Vice-artilheira do campeonato com nove gols marcados até o momento, a jogadora é responsável por 30% dos gols das Alvinegras. O número se torna mais surpreendente ainda pelo fato de Michele ter atuado em apenas quatro jogos do clube de Porangabuçu, chegando a uma média de um gol a cada 32 minutos jogados pela atleta.

Já as Leoas, para superar a força demonstrada pela equipe baiana até aqui, irão contar com a volante Leidiane. Artilheira da equipe comandada pelo técnico Igor Cearense com sete gols, a jogadora disse em entrevista guiada pelo clube que seu principal foco é terminar o jogo de ida com um bom resultado.

"A expectativa é que a gente faça uma partida melhor do que a do jogo contra o Fluminense e que possamos sair com o resultado positivo. Estou muito feliz em marcar gols e ajudar de qualquer forma o Fortaleza. Ou fazendo gols ou ajudando minhas companheiras a se destacarem. Estou focada para ajudar de qualquer forma no domingo e sair com o resultado positivo", contou a atleta. Nas oitavas de final, o Fortaleza eliminou o Fluminense-RJ nos pênaltis.

O Botafogo não tem nenhuma grande goleadora na competição, mas o jogo coletivo tem favorecido a zagueira Karen, que já marcou três gols na competição. O primeiro, diante do Goiás, mostra uma das virtudes da zagueira, que soube encontrar espaço e se desvencilhar da marcação das adversárias, para mandar a bola para a rede.

Apesar de ser novato na competição, o Fortaleza terá de superar não só a defesa consolidada das adversárias, mas também terá de buscar uma receita para parar a atacante Evelyn Gadu, artilheira da competição com 11 gols anotados com a camisa do Bahia.

Ex-jogadores dos clubes, técnicos estão prontos para fazer história

Para superar as difíceis adversárias, o time pode contar ainda com a experiência do técnico Igor Cearense, ex-Flamengo e que jogou no Leão entre 2005 e 2007. Antes de chegar ao Fortaleza, o treinador esteve à frente do Iranduba, com quem conquistou o terceiro lugar da Libertadores Feminina em 2019. Em entrevista ao podcast Futcast, do O POVO, o comandante das Leoas reconheceu a dificuldade do confronto, mas frisou que a equipe tem estudado bem as adversárias.

“Assisti alguns jogos do Bahia. É uma equipe bem postada, muito organizada, joga da mesma forma que jogamos e acredito que será (decidido) nos detalhes. Já estamos trabalhando em cima do que podemos surpreender o Bahia e temos trabalhado muito. São detalhes muito importantes e temos assistido vários jogos, analisando bem onde podemos explorar e surpreender as adversárias”, declarou Igor.

Já o Ceará não é novato na competição ou na fase classificatória, mas dessa vez, as Alvinegras esperam escrever um capítulo diferente do que foi quando enfrentaram o Cruzeiro em 2019 e foram eliminadas e o treinador Sérgio Alves — ex-ídolo do clube como jogador — apontou que o tempo que tem de trabalho a frente do time feminino do Alvinegro será primordial para que as atletas escrevam uma nova história neste Brasileirão.

“Em 2019, eu tinha pouco tempo de adaptação, com o grupo, e isso fez com que a gente tivesse pouco tempo e experiência para trabalhar e preparar a equipe para o jogo. Dessa vez é diferente. Estou há um ano e cinco meses à frente do futebol feminino, a maioria das atletas que hoje estão no elenco são do ano passado, já estão acostumadas com a minha filosofia de trabalho e as que chegaram se acostumaram muito rápido. Hoje temos um grupo mais consolidado, mais forte que do ano passado e hoje eu tenho uma experiência melhor”, declarou o técnico ao Futcast.

Ouça a entrevista do Futcast com os comandantes de Ceará e Fortaleza:

O jogo de volta das Leoas será disputado na próxima sexta-feira, 11, às 15 horas, no estádio Pituaçu. Já o duelo de retorno das Alvinegras será disputado no dia 20 de dezembro, às 15 horas. Ambas as partidas entre Ceará e Botafogo serão transmitidas pela emissora de TV aberta, Band, enquanto os jogos do Fortaleza terão transmissão da CBF TV, por meio da plataforma MyCujoo.

+ Quatro clubes confirmam participação no Cearense Feminino 2020

O caminho das Leoas até a porta do acesso

Este é o primeiro ano que o Fortaleza participa do Campeonato Brasileiro A-2, mas o caminho do time até as quartas de final da competição já mostra um trabalho bem sucedido. Novato na competição e com um investimento de R$ 150 mil, o Tricolor do Pici passou na segunda colocação do Grupo B na primeira fase. No chaveamento com outros cinco times, as Leoas venceram quatro jogos, aplicando goleada em três deles, e sendo derrotado apenas pelo 3B Sport, do Amazonas.

Nas oitavas de final, encarou o primeiro dos tubarões: o Fluminense. Apesar de ser derrotado por 1 a 0 no jogo de ida fora de casa, conseguiu reverter o placar na partida de volta e se classificou nos pênaltis. Ao todo, as Tricolores marcaram 26 gols e sofreram apenas quatro no certame.

O caminho das Alvinegras até a porta do acesso

Pelo segundo ano consecutivo no Campeonato Brasileiro A-2, o Ceará chega para o duelo diante do Botafogo com uma equipe invicta. Com bom investimento e contratações de reforços para o certame, as Alvinegras venceram quatro dos cinco jogos que disputaram na fase de grupos — sendo duas goleadas — e empatou somente em uma ocasião.

Nas oitavas de final, definiu a classificação com goleada contra o Sport-PE, fora de casa. Na partida de volta, controlou a vantagem com um empate em 2 a 2. Ao todo, as jogadoras do Vovô comemoraram gols 30 vezes e sofreram o revés em seis ocasiões.