Participamos do

Cria da base, volante Geovane pode ser novidade no Ceará de Tiago Nunes

No episódio 173 do FutCast, Gerson Barbosa e Thiago Minhoca analisam testes do treinador com o meio-campista no time titular e novo modelo de jogo do Vovô
10:59 | Set. 08, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Há uma semana no comando do Ceará, o técnico Tiago Nunes tem aproveitado o período de treinos para realizar testes e observar jogadores em busca da formação titular. Revelado nas categorias de base, o volante Geovane pode surgir como novidade na equipe alvinegra. O tema foi debatido no episódio 173 do FutCast, o podcast do O POVO sobre o futebol cearense.

O meio-campista de 22 anos disputou oito partidas pela equipe principal nesta temporada e tem características que se encaixam no modelo de jogo do novo treinador do Vovô, o que o credenciar a disputar a vaga ao lado de Fernando Sobral. Na última semana, o clube renovou o contrato do jogador até o final de 2023.

Com apresentação de Thiago Minhoca e comentários de Gerson Barbosa e Afonso Ribeiro, o grupo analisou a possibilidade de entrada de Geovane e os fatores positivos para a equipe. O POVO repercute abaixo as opiniões dos jornalistas.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Gerson Barbosa - O que mais me agrada é o olhar para o Geovane. Eu gosto muito do Geovane, acho um baita jogador, com um potencial muito interessante para o Ceará. É muito interessante o Tiago Nunes fazer esse teste, pensar em um jogador como o Geovane, que é o volante área a área, um cara que tanto aparece para ajudar na construção como tem características defensivas, com certa força física, precisão de passe.

Thiago Minhoca - O que eu mais gostei foi ele chegar a trabalhar mais com a ideia de saber ter a bola. A gente via o Ceará se defender muito bem com o Guto Ferreira, mas não apresentava, diferentemente do ano passado, a mesma qualidade de saída de bola. Era muita jogada individual com o Rick ou Lima, no ano passado era o Vina, então eram atletas que estavam sanando uma questão que não estava muito aprimorada, do controle do jogo quando tem a bola. Não precisa ter 80% de posse de bola, mas, quando tiver a bola, saber o que fazer, que era o que se percebia de maior limitação no trabalho do Guto Ferreira e o Tiago Nunes parece já estar tentando aprimorar.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags