Participamos do

STJD marca julgamento da confusão da final da Copa do Nordeste para 2 de junho

Terceira comissão disciplinar incluiu o julgamento na pauta da próxima quarta-feira. A sessão começa às 9 horas, de forma remota
13:27 | Mai. 27, 2021
Autor Brenno Rebouças
Foto do autor
Brenno Rebouças Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Os envolvidos na confusão da final da Copa do Nordeste de 2021 serão julgados pela terceira comissão disciplinar do STJD na próxima quarta-feira, 2, a partir das 9 horas, em sessão virtual. A denúncia foi feita pela Procuradoria do órgão. Além dos dois clubes em si, Ceará e Bahia, serão julgados os atletas Jael, Gabriel Dias, Mendoza, Danielzinho, Juninho e Nino Paraíba.

Os Jogadores

Pelo Ceará, a Procuradoria denunciou Jael por tripla agressão (artigo 254-A por 3 vezes) e por participar de rixa, tumulto ou conflito (artigo 257); Gabriel Dias por dupla agressão (artigo 254-A duas vezes) e por participar de rixa, tumulto ou conflito (artigo 257); e Mendoza por dupla agressão (artigo 254-A duas vezes) e por participar de rixa, conflito ou tumulto (artigo 257).

Já dentre os atletas do Bahia, a Procuradoria denunciou Nino Paraíba por conduta desleal (artigo 250), dupla agressão (artigo 254-A por duas vezes), participar de rixa, conflito ou tumulto (artigo 257) e invasão de campo (artigo 258-B); Danielzinho por agressão (artigo 254-A) e por participar de rixa, conflito ou tumulto (artigo 257); e Juninho por dupla agressão (artigo 254-A duas vezes) e por participar de rixa, conflito ou tumulto (artigo 257).

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

As penas para os artigos citados acima são:

Artigo 250: suspensão de uma a três partidas
Artigo 254-A: suspensão por quarto a 12 partidas, por infração.
Artigo 257, parágrafo 1º: suspensão por seis a 10 partidas
Artigo 258-B: suspensão por uma a três partidas.

Vale lembrar que no dia 20 de maio, o presidente do STJD, Otávio Noronha, suspendeu de forma preventiva os jogadores Mendoza, do Ceará, e Nino Paraíba, do Bahia, por 30 dias.

Os clubes

O Ceará foi denunciado por infração a cinco artigos do CBJD. Pela ausência do uso de máscaras ou uso de forma incorreta por diversas pessoas credenciadas pelo clube, o clube responderá pelo descumprimento do regulamento específico (artigo 191, inciso III). O árbitro fez constar ainda o atraso de dois minutos na entrada da equipe para o início e mais dois minutos de atraso no reinício da partida (artigo 206). A batalha campal na Arena Castelão e a invasão de campo após o jogo rendeu ainda denúncia ao clube por não manter o local da partida com infraestrutura necessária de modo a garantir a segurança para sua realização (artigo 211). O Alvinegro responderá ainda pela desordem (artigo 213, inciso I) e invasão de campo (artigo 213, inciso II), além da rixa, conflito e tumulto não sendo possível a identificação de todos os envolvidos (artigo 257, parágrafo 3º).

Já o Bahia responderá por tripla infração ao CBJD. A Procuradoria também identificou pessoas credenciadas pelo clube baiano sem máscara ou com uso de forma inadequada (artigo 191, inciso III). O Bahia ainda responderá pela desordem (artigo 213, inciso I), pela invasão de campo (artigo 213, inciso II) e pela rixa, tumulto ou conflito (artigo 257).

As penas para os artigos citados acima são:

Artigo 257, parágrafo 1º: suspensão por seis a 10 partidas
Artigo 211: multa entre R$ 100 e R$ 100 mil, e interdição do local, quando for o caso.
Artigo 191, inciso III: multa entre R$ 100 e R$ 100 mil.
Artigo 206: multa de até R$ 1 mil por minuto.
Artigo 213, incisos I e II: multa entre R$ 100 e R$ 100 mil e perda de mando de campo de uma a dez partidas.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags