PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Boletim da Fiocruz aponta alto risco de transmissão da Covid-19 no Brasil

Para reduzir transmissão, pelo menos 80% da população deve usar máscara. Boletim indica que governos devem distribuir máscaras em massa, com uso das que apresentam maior proteção, como a PFF2, para os trabalhadores mais expostos

20:06 | 09/06/2021
Nível de transmissão do vírus é preocupante na maioria dos estados, aponta boletim da Fiocruz (Foto: BARBARA MOIRA)
Nível de transmissão do vírus é preocupante na maioria dos estados, aponta boletim da Fiocruz (Foto: BARBARA MOIRA)

O atual cenário da pandemia no Brasil é considerado de alto risco. Isso porque a oscilação no número de casos nas últimas semanas indica alto nível de transmissão do vírus. Vinte estados e o Distrito Federal, incluindo o Ceará, bem como 17 capitais, encontram-se com taxas de ocupação de leitos iguais ou superiores a 80%. Esse patamar é classificado como nível crítico. O indicador mantém-se em relativa estabilidade, mas em níveis muito elevados na maioria dos estados e capitais. A análise consta em Boletim do Observatório Covid-19 Fiocruz, divulgado nesta quarta-feira, 9.

“Ainda é prematuro considerar que há uma queda sustentável de casos e óbitos ou que estamos entrando em uma terceira onda”, observam os pesquisadores da instituição.

Encontram-se com taxas de ocupação iguais ou superiores a 90%, 12 unidades da Federação: Tocantins (94%), Maranhão (90%), Ceará (93%), Rio Grande do Norte (94%), Pernambuco (97%), Alagoas (91%), Sergipe (99%), Paraná (96%), Santa Catarina (97%), Mato Grosso do Sul (107%), Goiás (90%) e Distrito Federal (90%).  Outros nove apresentam taxas de ocupação de leitos de UTI Covid-19 para adultos entre 80% e 89%, e cinco estados estão na zona de alerta intermediário (60% e <80%). Um está fora da zona de alerta: Acre (41%). 

No Brasil, 12 estados têm mais de 90% de ocupação de UTIs
No Brasil, 12 estados têm mais de 90% de ocupação de UTIs (Foto: Reprodução )

Os pesquisadores da instituição chamam atenção para a necessidade de se combinar medidas de enfrentamento, nas próximas semanas, até que a maior parte da população esteja vacinada. Isso inclui medidas de distanciamento social, como o bloqueio/lockdown, que deve ser adotado para os estados e municípios com taxas de ocupação de leitos UTI Covid-19 de 85% ou mais.

Dentre as medidas apontadas, está a ampliação da disponibilidade e o uso de máscaras, "com distribuição e uso das que apresentam maior proteção para os trabalhadores mais expostos", incluindo os profissionais da área de educação. A meta é que 80% da população faça uso de máscara, o que confere "uma redução muito acentuada da transmissão". Se somente 50% da população utilizar máscaras, a redução é mínima, segundo a Fiocruz.

De acordo com o boletim, é indicado que as pessoas que apresentam maior exposição façam uso de máscaras com maior capacidade de proteção, como as do tipo PFF2 (equivalente a N95). Vindo em seguida as máscaras cirúrgicas, TNT SMS, TNT simples e algodão multicamadas. Uma opção é a combinação de máscaras cirúrgicas com máscaras de pano multicamadas, que resulta também em maior capacidade de proteção. Além disso, governos devem realizar campanhas sobre a importância do uso de máscara e como usá-las.