PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Covid-19: Tempo médio de internação aumenta mais de 100% em relação à 1ª onda no Ceará

Ainda que o Estado apresente melhora em distintos indicadores da pandemia, as medidas de cautela para a garantia do isolamento social são necessárias para que a doença não volte a crescer

Leonardo Maia
22:20 | 14/05/2021
Hospital São José foi um dos que teve ampliação de leitos de UTI em Fortaleza. (Foto: FABIO LIMA)
Hospital São José foi um dos que teve ampliação de leitos de UTI em Fortaleza. (Foto: FABIO LIMA)

O aumento do tempo de internação de pacientes com Covid-19 na segunda onda da doença tem feito com que haja uma sobrecarga maior nas unidades de saúde do Estado, conforme apontou em live nesta sexta-feira, 14, o secretário da Saúde do Ceará, Dr. Cabeto. Ele explicou que o período médio de internação em hospitais mais que dobrou entre os dois períodos — com marca por volta de 5 dias na primeira onda e com 12,21 dias segundo dados de hoje.

Na análise dos indicadores da pandemia, que embasam a flexibilização ou não das medidas restritivas da pandemia, Cabeto ponderou que a manutenção de índices ainda elevados de ocupação de UTIs são decorrentes desse crescimento do tempo de internação e os números devem cair durante as próximas semanas. O secretário ressaltou ainda que o número de mortes apresenta uma tendência de redução de queda.

Leia Também | Comércio de rua encerra atividades às 19 horas com novo decreto estadual

Academias funcionam até 21h em Fortaleza e Sobral com novo decreto

Outro dado positivo enfatizado pelo titular da pasta é a redução da taxa de letalidade da doença nesta segunda onda. Atualmente, o índice encontra- se em 2,6% e no começo de maio de 2020, o número era de 7,7%. O cálculo corresponde ao número de mortes decorrentes da doença comparado à quantidade total de pessoas que apresentam a enfermidade ativa.

Mesmo com a evolução, Cabeto indicou que o quadro da pandemia no Estado ainda é muito grave e demanda cuidados da administração pública e da população cearense. “O momento ainda exige muita cautela. Devemos manter as medidas de restrição com muita responsabilidade. Isso é um mais um motivo para que a continue colaborando com o que é definido em decreto”, enfatizou.