PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Está na fase 3 da vacinação contra a Covid em Fortaleza? Tire suas dúvidas

A Secretaria Municipal da Saúde realizou live na manhã desta sexta-feira, 7, para tirar dúvidas da população

Marcela Tosi
14:23 | 07/05/2021
Especificações de cada comorbidade abrangida na fase 3 da vacinação contra a Covid estão no Plano Municipal de Vacinação. Vacinação dessas pessoas com comorbidades teve início na última quarta-feira, 5 (Foto: Thais Mesquita/ O POVO)
Especificações de cada comorbidade abrangida na fase 3 da vacinação contra a Covid estão no Plano Municipal de Vacinação. Vacinação dessas pessoas com comorbidades teve início na última quarta-feira, 5 (Foto: Thais Mesquita/ O POVO)

A fase 3 da vacinação contra a Covid-19 em Fortaleza teve início na última quarta-feira, 5. Desde então, desencontros de informação fizeram pessoas voltarem para casa sem a vacina e geram ansiedade entre quem aguarda ser chamado.

LEIA TAMBÉM | Pessoas com comorbidades que levaram documento errado voltam para casa sem vacina

No Ceará, 15 municípios podem começar a 3ª fase da vacinação contra Covid-19

Na manhã de hoje a secretária da Saúde de Fortaleza, Ana Estela Leite, e a gerente da Atenção Primária e Psicossocial, Luciana Passos, relaizaram live para tirar as principais dúvidas da população.


Como saber se a minha doença está entre as consideradas prioritárias?

As especificações de cada comorbidade abrangida na 3ª fase de vacinação contra a Covid-19 estão no Plano Municipal de Vacinação. No Ceará, uma ordem de prioridade foi estabelecida de acordo com o tipo de doenças crônicas e idade. Os agendamentos são realizados conforme são alcançadas as metas de cada subfase.

Em Fortaleza, a vacinação iniciou por grávidas com comorbidades, puérperas com comorbidades e pessoas com doenças cardíacas e com idades entre 59 e 55 anos. Em seguida, serão agendados os diabéticos.


Veja as comorbidades listadas no Plano de Vacinação

    • Diabetes mellitus - Todas as pessoas com diabetes estão na 3ª fase de imunização;

    • Doenças pulmonares crônicas graves - Inclui doença pulmonar obstrutiva crônica, fibrose cística, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (com uso recorrente de corticoides sistêmicos e internação prévia por crise asmática);

    • Hipertensão Arterial Resistente (HAR) - Quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas com o uso de três ou mais medicamentos, em doses máximas ou quando PA controlada em uso de quatro ou mais fármacos;

    • Hipertensão arterial estágio 3 - Quando a PA sistólica 180mmHg e/ou diastólica 110mmHg; 

    • Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em outros órgãos e/ou comorbidade associada;

    • Insuficiência cardíaca (IC) com fração de ejeção reduzida, intermediária ou preservada-   em estágios B, C ou D;

    • Cor-pulmonale crônico e Hipertensão pulmonar primária ou secundária;

    • Cardiopatia hipertensiva - Ou seja, hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou 21 sistólica, lesões em outros órgãos-alvo;

    • Síndromes coronarianas crônicas  - Inclui Angina Pectoris estável, cardiopatia isquêmica, pós Infarto Agudo do Miocárdio, outras;

    • Valvopatias - Ou seja, lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico (estenose ou insuficiência aórtica; estenose ou insuficiência mitral; estenose ou insuficiência pulmonar; estenose ou insuficiência tricúspide, e outras);

    • Miocardiopatias e Pericardiopatias;

    • Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas - Inclui aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos;

    • Arritmias cardíacas com importância clínica e/ou cardiopatia associada;

    • Cardiopatias congênitas no adulto com repercussão hemodinâmica - Adultos com doenças cardíacas que envolvem crises hipoxêmicas; insuficiência cardíaca; arritmias; comprometimento miocárdico;

    • Portadores de próteses valvares biológicas ou mecânicas e de dispositivos cardíacos implantados - Inclui pessoas com marca-passos, cardiodesfibriladores, ressincronizadores, assistência circulatória de media e longa permanência;

    • Doença cerebrovascular - Abrange acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico ou hemorrágico; ataque isquêmico transitório; demência vascular;

    • Doença renal crônica em estágio 3 ou mais - Inclui doença renal com taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2 e síndrome nefrótica;

    • Imunossuprimidos - Indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea; pessoas vivendo com HIV e CD4;

    • Anemia falciforme;

    • Obesidade mórbida - Pessoas com Índice de massa corpórea (IMC) 40;

    • Sindrome de Down.


Qual o laudo necessário?

O lado deve ter menos de um ano e constar tanto o tipo quanto o grau da doença. Há modelos disponibilizados pela Secretaria da Saúde, mas o documento não precisa ser exatamente este desde que conste essas informações necessárias. São elas:

    • Nome do médico ou profissional de saúde da família
    • Nome do paciente
    • Tipo e grau da doença
    • Município
    • Data
    • Assinatura e carimbo do profissional 

 

Como estão funcionando os postos de saúde para pegar o laudo?


O importante é que o atestado seja emitido pelo médico ou outro profissional de saúde que já faça o acompanhamento do paciente, podendo ser tanto do serviço público quanto particular. "Nos postos de saúde, estamos fazendo um fluxo para essas pessoas que já são acompanhadas, principalmente pelas cardiopatias e diabetes. Eles são cadastrados em programas, e essa oferta de laudo tem sido feita nas unidades de saúde", afirmou Luciana.

Tenho hipertensão, sou contemplado na fase 3?

A terceira fase da imunização não abrange todas as pessoas com hipertensão. Estão completadas aquelas que têm hipertensão grau 3 e aquelas com hipertensão grau 1 ou 2 junto de outra comorbidade ou de lesão em algum outro órgão importante. Essa determinação é dada pelos médicos.


Não coloquei minha comorbidade no ato do cadastro. O que fazer?

Nesse caso, é necessário acessar o cadastro na plataforma Saúde Digital (vacinacaocovid.saude.ce.gov.br), com o login e a senha definidos pelo usuário, e atualizar as informações, sinalizando qual a doença pré-existente.


Não pude receber a primeira dose na data agendada. Como fazer?

As pessoas que não puderam receber a primeira dose porque estavam doentes, internadas ou logo após tomar alguma outra vacina (como a da gripe H1N1) devem comparecer ao local de vacinação, levando um comprovante do agendamento e um comprovante da causa da ausência. Também deve levar todos os documentos necessários para a vacinação (documento de identidade com foto, CPF, comprovante de residência e laudo médico).


Sídrome de Down é classificada como deficiência permanente ou como comorbidade?

Na plataforma Saúde Digital, pessoas com Síndrome de Down devem indicar a condição tanto como deficiência permanente quanto como comorbidade.


Veja a transmissão online realizada na manhã desta sexta-feira, 7: