PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Fortaleza está a 50 mil doses da próxima fase de vacinação: pessoas com comorbidades

De acordo com a SMS, a Capital precisa receber 50 mil doses para avançar à terceira etapa da vacinação, que inclui a população com comorbidades: doenças renais crônicas, cardiovasculares, obesidade e hipertensão, por exemplo

Lais Oliveira
12:54 | 19/04/2021
Pessoas com comorbidades apresentam maior chance para agravamento da Covid-19. (Foto: JULIO CAESAR)
Pessoas com comorbidades apresentam maior chance para agravamento da Covid-19. (Foto: JULIO CAESAR)

Fortaleza precisa receber mais de 50 mil doses de vacina contra a Covid-19 para avançar à terceira etapa de vacinação. A informação foi divulgada pela secretária Ana Estela Leite, titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em live realizada nesta segunda-feira, 19. 

"A gente tem seguido de acordo com o que recebemos de vacina no Município. Ainda temos a necessidade de receber mais de 50 mil doses para concluir essa fase de idosos e seguir para fase das comorbidades", explicou. 

Pessoas com comorbidades apresentam maior chance para agravamento da Covid-19. O grupo inclui a população que tem doenças renais crônicas, cardiovasculares, obesidade e hipertensão, por exemplo. Pessoas com deficiência permanente também estão no grupo. Até o momento, já foram aplicadas 534.640 doses na Cidade. Nesse total estão inclusos os públicos das Fases 1 e 2 da campanha.

No grupo de trabalhadores da saúde, são 82.165 vacinados — 66,9% da meta do Município. Enquanto isso, a vacinação de idosos acima de 75 anos, pertencentes à Fase 1 da campanha, extrapolou a meta estabelecida, ficando em 115,8% e alcançando 101.604 pessoas.

No caso de idosos de 60 a 74 anos, a Capital já conseguiu atingir 74,8% de sua meta somando 191.655 vacinados com a primeira dose (D1) nesse grupo etário. Além disso, Fortaleza vacinou 1.913 profissionais das forças de segurança pública após inclusão desse grupo nas prioridades por orientação do Ministério da Saúde.

Para a campanha estão sendo utilizadas duas vacinas: a CoronaVac e a AstraZeneca/Oxford. Ambos os imunizantes necessitam da aplicação de duas doses e possuem intervalos distintos.  A CoronaVac tem uma diferença de 15 a 28 dias entre D1 e D2. No imunizante AstraZeneca/Oxford o intervalo é de 90 dias.

Na Capital, 377.611 pessoas já receberam a primeira dose (D1). Além disso, foram aplicadas 157.029 segundas doses da vacina (D2).  

Quais doenças são classificadas como comorbidade?

 

  • Anemia falciforme
  • Arritmias cardíacas
  • Cardiopatias congênita no adulto
  • Cardiopatia hipertensiva
  • Cirrose hepática
  • Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar
  • Diabetes mellitus
  • Doenças da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas
  • Doença cerebrovascular
  • Doença renal crônica
  • Hipertensão arterial estágio 3
  • Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade
  • Imunossuprimidos
  • Insuficiência cardíaca (IC)
  • Miocardiopatias e Pericardiopatias
  • Obesidade mórbida
  • Pneumopatias crônicas graves
  • Próteses valvares e
  • Dispositivos cardíacos implantados
  • Síndrome de down
  • Síndromes coronarianas
  • Valvopatias

Fonte: FAQ da plataforma Saúde Digital

Confira os grupos prioritários em cada etapa de vacinação em Fortaleza

Fase 1:

  • Trabalhadores da saúde;
  • Idosos a partir de 75 anos de idade;
  • Pessoas com 60 anos ou mais e pessoas com deficiência acima de 18 anos institucionalizadas;
  • População indígena aldeada em terras demarcadas.

Fase 2:

  • Idosos de 60 a 74 anos

*Profissionais das forças de segurança e salvamento foram incluídos depois e começaram a ser vacinados durante esta fase em Fortaleza.

Fase 3:

Pessoas com deficiência permanente e pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença, tais como portadores de doenças renais crônicas, cardiovasculares, dentre outras

Fase 4:

  • Trabalhadores da Educação;
  • Funcionários do sistema prosional;
  • População privada de liberdade;
  • Pessoas com deficiência permanente severa;
  • Pessoas em situação de rua;
  • Transportadores rodoviários de carga;
  • Trabalhadores de transporte coletivo