PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Fortaleza terá ao todo 170 leitos de observação para Covid-19 em suas UPAs, diz Sarto

Prefeitura e Governo buscam aumentar a capacidade de atendimento da rede de saúde pública da Capital, com o agravamento de casos na segunda onda da pandemia

Gabriela Almeida
14:35 | 11/02/2021
UPA do bairro Edson Queiroz é uma das que passam por ampliação de leitos (Foto: Aurelio Alves)
UPA do bairro Edson Queiroz é uma das que passam por ampliação de leitos (Foto: Aurelio Alves)

Fortaleza terá, ao todo, 170 leitos de observação para Covid-19 em suas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), conforme informações divulgadas nesta quinta-feira, 11, pelo prefeito José Sarto (PDT). A ampliação dos leitos nos equipamentos desse porte na Capital cearense busca aumentar a capacidade de atendimento da rede de saúde pública, mediante segunda onda da doença na cidade.

"Pessoal, iniciei esta manhã visitando a UPA do Edson Queiroz, acompanhando a ampliação dos leitos do equipamento. Estamos aumentando nossa capacidade de atendimento e, ao todo, teremos 170 leitos de observação para a Covid-19 nas UPAs de Fortaleza", anunciou o gestor.

Sarto aproveitou publicação para solicitar que a população siga tomando cuidados sanitários, como utilização de máscaras, higienização das mãos e evitar aglomerações. "É importante lembrar que o vírus continua circulando e que ainda estamos em pandemia", destacou.

| LEIA MAIS |

Ocupação de leitos hospitalares públicos e privados cresce de forma preocupante, diz Camilo

Com aumento de casos, Fortaleza entra em alerta de risco altíssimo

Além do aumento dos leitos de observação das UPAs, Fortaleza passa também por um processo de ampliação dos leitos de hospitais públicos e privados. De acordo com o secretário da Saúde do Estado, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, o Dr. Cabeto, a Capital deve somar 430 leitos em hospitais regionais até o fim de fevereiro.

O processo de reforço da rede de saúde é uma resposta ao aumento de casos que vem sendo percebido, principalmente na Capital, resultando no aumento da ocupação de leitos. Em dados divulgados nesta semana pela Secretaria da Saúde do Estado, Fortaleza já aparecia em risco altíssimo no indicador de incidência de casos diários a cada 100 mil habitantes.