PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Bolsonaro: Saúde não comprará novas seringas até que preços 'voltem a normalidade'

As compras destes produtos eram feitas por Estados e municípios, mas o Ministério decidiu centralizar a aquisição para atender o aumento de demanda na pandemia

11:56 | 06/01/2021
O presidente defendeu Queiroz e Flávio Bolsonaro, afirmando que investigação das rachadinhas é injusta

 (Foto: EVARISTO SA / AFP)
O presidente defendeu Queiroz e Flávio Bolsonaro, afirmando que investigação das rachadinhas é injusta (Foto: EVARISTO SA / AFP)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou hoje, 6, que o Ministério da Saúde suspendeu a compra de seringas. Segundo ele, os estados e municípios têm estoques de seringas suficientes para o início da vacinação e a compra só voltará quando os preços 'voltarem a normalidade'. O anúncio foi feito nas redes sociais de Bolsonaro.

Na publicação, o presidente afirma que o Brasil "consome 300 milhões de seringas por ano" e que "também somos um dos maiores fabricantes desse material". "Como houve interesse do Ministério da Saúde em adquirir seringas para seu estoque regulador, os preços dispararam e o MS [Ministério da Saúde] suspendeu a compra até que os preços voltem à normalidade", informou.

LEIA TAMBÉM | Associação de clínicas particulares negocia vacina contra Covid-19; três empresas são do Ceará

+
Bolsonaro diz que Brasil está 'uma maravilha' e culpa imprensa por 'fazer onda'

No último dia 29 de dezembro, o MS fracassou na compra de insumos e só conseguiu encaminhar o contrato de 7,9 milhões dos 331 milhões de conjuntos dos produtos. Desde então, a pasta vem preparando novas importações. As compras destes produtos eram feitas por Estados e municípios, mas o ministério decidiu centralizar a aquisição para atender o aumento de demanda na pandemia.

Após o fracasso da compra, o MS pediu ao Ministério da Economia para que agulhas e seringas fossem inseridas no rol de itens essenciais para combate à Covid-19, ou seja, que podem ter a exportação impedida. Pela decisão, a venda destes produtos para outros países passa a exigir "licença especial de exportação de produtos para o combate à Covid-19".

Junto ao anúncio de Bolsonaro, ainda há informações sobre uma suposta tabela de percentual de vacinados até o dia 4 de janeiro de 2021. Brasil, Holanda e Japão estão entre os países que não começaram a vacinação. Entretanto, a Holanda começou hoje a vacinar sua população, após diversas críticas de demora.

LEIA TAMBÉM | Camilo diz que "tá bem pertim da vacina" e alerta para aumento de casos de Covid-19 no País

+ Decreto prorrogado no Ceará: o que pode e não pode até 10 de janeiro

Os Estados Unidos e o Reino Unido aparecem como os únicos com mais de um 1% de sua população vacinada. China, Rússia, Canadá, Itália, Chile, México, Alemanha e Argentina, todos com menos de 1%, também são citados.

- O Brasil consome 300 milhões de seringas por ano. Também somos um dos maiores fabricantes desse material.

- Como...

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

Depois dos Estados Unidos, o Brasil é o 2º país com mais mortes pelo novo coronavírus. O Ceará já contabiliza 340.089 casos de Covid-19 e 10.056 mortes pela doença.