PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Fortaleza tem nível alto de alerta para incidência de novos casos de Covid-19

Dado na plataforma IntegraSUS indica que média de 124,8 novos casos diários da doença a cada 100 mil habitantes nas semanas epidemiológicas 47 e 48

Lais Oliveira
13:21 | 04/12/2020
NA CAPITAL, isoladamente, 
o incremento de casos de coronavírus foi de 19,2%  (Foto: Aurelio Alves)
NA CAPITAL, isoladamente, o incremento de casos de coronavírus foi de 19,2% (Foto: Aurelio Alves)

Fortaleza está em nível alto de alerta para incidência Covid-19, com 124,8 novos casos diários da doença a cada 100 mil habitantes e tendência "crescente”. Os dados são do IntegraSUS, plataforma da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), e foram obtidos às 11 horas desta sexta-feira, 4. 

As informações são referentes às semanas epidemiológicas 47 e 48, entre 15 e 28 de novembro. Conforme as classificações estabelecidas pela Sesa, existem quatro níveis de alerta: (1) “novo normal”, (2) “moderado”, (3) “alto” e (4) “altíssimo”.

A taxa de letalidade na Capital está em 1,3%, sendo classificada com nível de risco “moderado” e tendência de crescimento. Nesse indicador, os valores correspondentes ao risco moderado vão de 1% a 1,9%. O risco alto inclui taxas de 2% a 2,9% e o risco altíssimo é equivalente a uma taxa maior ou igual a 3%.

Em Fortaleza, existe tendência de queda na média de internações registradas por causas respiratórias (11,5) relativas às semanas epidemiológicas observadas. O mesmo vale para o percentual de leitos ocupados por Covid-19 (68,4%) nesse mesmo período.

No entanto, a taxa de positividade em testes RT-PCR realizados na Capital apresenta tendência de crescimento e está em 19,6%. Esse tipo de teste é considerado o mais eficaz no diagnóstico da Covid-19.

Segundo a Sesa esclarece, há tendência “crescente” em um indicador quando existe aumento do seu valor superior a 15% entre as duas últimas semanas epidemiológicas.

Já a tendência “decrescente” de um indicador ocorre quando é registrada redução do seu valor superior a 15% entre as duas últimas semanas epidemiológicas. Por fim, situações de “estabilização” acontecem quando observa-se “quaisquer outras situações” diferentes dessas primeiras.

Positividade alta nas Upas

 

O boletim epidemiológico da Sesa publicado nesta sexta-feira, 4, confirma o crescimento de casos e óbitos “devido a confirmação tardia de alguns óbitos”, conforme a secretária executiva de Vigilância e Regulação do órgão, Magda Almeida.

"A positividade dos exames continua alta nas Upas (Unidades de Pronto Atendimento) principalmente, acima de 50%, mas no geral tem se mantido entre 20% e 30%", comenta Magda em vídeo divulgado pela Sesa.

"Esses dados mostram pra gente que é um momento em que precisamos principalmente evitar aglomerações, fazer uso de máscara e usar da etiqueta respiratória. A gente precisa se proteger e proteger os mais vulneráveis", finaliza.

LEIA TAMBÉM | Aumento de casos de coronavírus no Ceará tem sido puxado por Fortaleza e atingido população de menos de 50 anos

+Coronavírus: ocupação de leitos de UTI é de 62,73% no Ceará e de 71,76% em Fortaleza

"As pessoas perderam o medo", considera especialista


A enfermeira infectologista Lúcia Duarte analisa com preocupação o cenário indicado pelos dados na Capital. Ela acredita que não é possível falar ainda em uma segunda onda de casos, mas critica o relaxamento dos cuidados de prevenção ao coronavírus por parte da população.

“Estou vendo que as pessoas perderam o medo e parece que deixaram de se preocupar [com a pandemia]”, reflete a também coordenadora do Grupo de Trabalhos da Universidade Estadual do Ceará (Uece) de enfrentamento à Covid-19.

O uso da máscara, o distanciamento social e a higienização das mãos com álcool em gel ainda são medidas indispensáveis, conforme alerta. “Do jeito que esses dados estatísticos estão mostrando, na minha opinião, seria necessário uma medida mais drástica, como por exemplo o que foi feito no começo da epidemia, com o lockdown”, pontua Lúcia.

A especialista também se preocupa com as comemorações festivas realizadas no fim do ano, onde ocorre grande descolamento de pessoas entre a Capital e outros municípios.

O POVO pediu informações da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e da Sesa especificamente sobre ações pensadas para barrar o incremento de novos casos de Covid-19 em Fortaleza. 

Em nota, A SMS explicou que "a Prefeitura de Fortaleza realiza diariamente o monitoramento e o rastreamento de contatos, em pessoas com suspeita ou confirmação da doença".

Veja a nota da SMS na íntegra:

"Visando prevenir a disseminação do contágio da Covid-19, a Prefeitura de Fortaleza realiza diariamente o monitoramento e o rastreamento de contatos, em pessoas com suspeita ou confirmação da doença. Além disso, com foco em ampliar o controle epidemiológico no município, Fortaleza está na quarta fase da pesquisa de soroprevalência, que realiza, em domicílio, exames do tipo RT-PCR e coleta de sangue venoso para a detecção da Covid-19, em parceria com o Governo do Estado. Estas iniciativas geram indicadores para tomadas de decisões das políticas de combate ao coronavírus.

No que se referente à assistência à saúde na Rede Municipal, a Secretaria Municipal da Saúde informa que também atua de forma abrangente em toda a cidade, acolhendo pacientes com síndrome gripal em todas as suas unidades, a exemplo dos 116 Postos de Saúde e as 06 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), além de o município dispor, ainda, de 70 leitos ativos exclusivos para pacientes com Covid-19, distribuídos em unidades como Instituto Doutor José Frota (IJF) e Hospital e Maternidade Dra. Zilda Arns Neumann, com leitos disponíveis, não atingindo, nesta data, a taxa máxima de ocupação".

 

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >