PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

ONG Rio de Paz faz protesto no Rio de Janeiro em memória aos quase 100 mil brasileiros mortos pelo coronavírus

Durante o ato, um tumulto se iniciou quando um manifestante defendia a legitimidade da ação para um homem que proferia argumentos contrários. "Eu tive que pegar o corpo do meu filho e botar dentro do caixão em um saco, então você não pode falar que é 'fake news" disse.

12:43 | 08/08/2020
O grupo protestou e fez críticas contra a administração do poder público durante a pandemia.
 (Foto: ONG Rio de Paz)
O grupo protestou e fez críticas contra a administração do poder público durante a pandemia. (Foto: ONG Rio de Paz)

A ONG Rio de Paz realizou, neste sábado, 8 de agosto, uma manifestação em memória aos quase 100 mil brasileiros mortos pela Covid-19, na Praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. O grupo também protestou e fez críticas contra a administração do Poder Público durante a pandemia.

Leia mais | Médicos cobram responsabilização de Bolsonaro pelos 100 mil óbitos por coronavírus

Durante o ato, um tumulto se iniciou quando um manifestante, o taxista Márcio Antônio do Nascimento Silva e um homem que caminhava pelo calçadão iniciaram uma discussão, após o mesmo afirmar que o número de mortes pelo coronavírus são obras da propagação de fake news. Márcio Antônio então disse que o ato é legítimo e que muitas pessoas morreram nessa situação, inclusive seu próprio filho. "Eu tive que pegar o corpo do meu filho e botar dentro do caixão em um saco, então você não pode falar que é 'fake news", disse enquanto o homem proferia argumentos contrários. A ação foi gravada por testemunhas no local.

Confira vídeo:

"Não é fácil estar aqui, não é fácil, não é fácil relembrar isso tudo. Amanhã seria o Dia dos Pais. Eu como muitos pais e muitos filhos não vamos estar ao lado dos entes queridos. Então, estar aqui para mim representa muito. Se eu puder conscientizar apenas uma pessoa, eu já fico muito feliz e acho que meu filho não passou em vão. Eu não posso mudar o mundo, mas se eu puder ajudar alguma pessoa, já é importante", disse em entrevista ao G1.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >