PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

OMS aponta que vacina da Universidade de Oxford em testes no Brasil é a "mais avançada" do mundo

Cerca de dois mil voluntários serão testados no Brasil. No total, 15 vacinas para o novo coronavírus estão em fase clínica no mundo

13:14 | 26/06/2020
A Universidade de Oxford é uma das instituições do mundo que pesquisam uma vacina contra a Covid-19. (Foto: Divulgação/Universidade de Oxford)
A Universidade de Oxford é uma das instituições do mundo que pesquisam uma vacina contra a Covid-19. (Foto: Divulgação/Universidade de Oxford)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, nesta sexta-feira, 26, que a vacina para o novo coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford é a “mais avançada” do mundo “em termos de desenvolvimento”. A fórmula, desenvolvida em parceria com o laboratório AstraZeneca, está sendo testada no Brasil e na África do Sul, após testes bem sucedidos no Reino Unido. As informações são da agência de notícias Reuters.

No Brasil, cerca de dois mil voluntários serão testados, de acordo com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). "Poderão participar pessoas entre 18 e 55 anos, profissionais da área da saúde e pessoas com alta probabilidade de infecção, que trabalham em setores como limpeza e apoio as estruturas que estão atendendo os pacientes com Covid-19", disse a reitora da instituição, Soraya Smaili, à AFP.

De acordo com a Reuters, mais de 200 vacinas estão sendo testadas contra o coronavírus ao redor do mundo. Dessas, 15 estão em fase clínica. A organização espera que os fundos de financiamento disponíveis permitam a distribuição de 2 bilhões de doses de vacina globalmente, metade dos quais em países de baixa e média renda até o final de 2021.

Outra vacina que também está em fase clínica, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Biotec, deverá ser testada no Brasil em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo. No dia 11 deste mês, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) divulgou que 9 mil voluntários brasileiros participarão dos testes durante três semanas do mês de julho.