PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Profissionais de saúde de dois hospitais do Ceará relatam atraso salarial

Secretaria da Saúde diz que não pagam diretamente aos profissionais, que recebem por meio de cooperativa

Rubens Rodrigues
12:58 | 19/05/2020
Hospital no estacionamento do HGF é dedicado a casos de baixa complexidade relacionados a Covid-19 (Foto: Reprodução / Twitter)
Hospital no estacionamento do HGF é dedicado a casos de baixa complexidade relacionados a Covid-19 (Foto: Reprodução / Twitter)

Profissionais de saúde que trabalham diretamente nas alas reservadas para pacientes de Covid-19 no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) afirmam que não receberam salário deste mês de maio, que deveria ter sido pago até o último dia 10. Seria o primeiro pagamento desde a lotação exclusiva para combate à doença na unidade da rede da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

Um dos profissionais do HGF, que terá sua identidade preservada, contou que os enfermeiros realocados para a ala Covid-19 foram informados que teriam aumento salarial com a mudança. "Todos os enfermeiros que não trabalham na emergência Covid já receberam salário, mas nós não recebemos", relata. "Fomos informados que o Estado não repassou o dinheiro, e por isso não recebemos".

Outra fonte informa que a falta de dinheiro já está afetando a rotina dos trabalhadores e que alguns relatam não poder pagar combustível para ir trabalhar. "A gente tá se arriscando, deixando familiares em casa. Alguns (profissionais) já se contaminaram trabalhando nessa área. O sentimento é de desgaste físico e mental", desabafa. "Temos nossos compromissos".

A Sesa explicou que "foram contratadas novas cooperativas para pagamento das equipes multiprofissionais", mas não citou quais. "Diante do processo de contratação dessas novas cooperativas, o pagamento referente à competência de 21 de março a 20 de abril de 2020 necessitou de uma nova data para ser realizado. O pagamento terá um calendário extraordinário com início previsto para esta semana", diz a pasta.

Em nota, o HGF afirma que "mantém o compromisso de garantir o pagamento dos seus colaboradores cooperados até o décimo quinto dia útil do mês, prazo necessário para realização de todo o processo de fechamento da folha junto às cooperativas". Hoje são 19 de maio.

A reportagem chegou a ligar durante a manhã para o setor financeiro do HGF e foi informada de que a "pessoa responsável" pelo setor não poderia atender. Outras ligações foram feitas durante a manhã, mas sem sucesso. Houve ainda tentativa de contato com a Cooperativa de Trabalho dos Profissionais de Saúde do Estado do Ceará (Coosaúde), que seria responsável pelo intermédio entre os profissionais e o Estado, mas as ligações também não foram atendidas.

Hospital Leonardo Da Vinci

Não é, no entanto, a primeira vez que profissionais que estão no combate à Covid-19 relatam o problema. A situação é parecida no Hospital Leonardo Da Vinci, montado apenas para o atendimento dos pacientes do novo coronavírus. De acordo com fontes ouvidas pelo O POVO, nenhum profissional da saúde foi pago desde o começo do funcionamento da unidade, que completa dois meses no próximo dia 23.

A Sesa chegou a informar que o pagamento das cooperativas começou no último dia 13 e que os salários dos profissionais de saúde cooperados deveriam ser regularizados até essa segunda-feira, 18. A situação, no entanto, ainda não foi regularizada e a pasta reconheceu, por meio de nota enviada neste dia 19, que os salários dos profissionais de saúde cooperados ainda "estão sendo regularizados". Por telefone, a assessoria de imprensa da pasta informou que o pagamento dos profissionais do Hospital Leonardo Da Vinci foi repassado para a cooperativa na última semana e que parte dos profissionais já havia sido paga.

A reportagem também questionou à Sesa sobre o número de profissionais afetados pelo atraso nas duas unidades e se há outros hospitais no Estado com profissionais em situação similar. Não houve resposta para essas questões.