PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Com 32 casos confirmados, Ceará registra 2 indígenas mortos por Covid-19 e 11 recuperados

No Brasil, já foram 23 óbitos de indígenas em área rural; Ceará lidera casos confirmados no Nordeste

Catalina Leite
12:50 | 18/05/2020

O Ceará continua liderando em número de indígenas confirmados para Covid-19 no Nordeste. São 32 casos, dos quais 11 se curaram e 2 morreram pela doença. Ainda investigam-se 30 casos suspeitos. As informações são do Boletim Epidemiológico da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), atualizado às 17 horas desse sábado, 16.

Os dados, porém, são subnotificados, de acordo com a Sesai, por considerarem apenas indígenas morando em áreas rurais. Aqueles que vivem nas cidades têm atendimento dos sistemas de saúde municipais e estaduais, entrando na contagem geral da região. O Ceará já soma 25.910 confirmações de Covid-19 e 1.648 óbitos, segundo a plataforma IntegraSUS, atualizada às 9h53min desta segunda-feira, 18.

LEIA TAMBÉM | Mulheres e indígenas estão entre os mais socialmente afetados pela Covid-19 na América Latina, diz relatório da ONU

Primeira indígena a morrer pela Covid-19 no Ceará sofreu acidente em ambulância a caminho do hospital

Enquanto isso, o Brasil tem 371 indígenas em área rural confirmados para o novo coronavírus, dos quais 23 morreram. Desses, 162 confirmações e 11 óbitos ocorreram no Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Rio Solimões (DSEI-ARS), localizado no município de Tonantins (AM). Pelo menos 125 se recuperaram da doença na região.

“Uma alta porcentagem da população indígena pode ser impactada devido à alta transmissibilidade da doença, vulnerabilidade social de populações isoladas e limitações relacionadas com a assistência médica e logística de transporte de enfermos”, alerta nota técnica do Instituto Socioambiental e do Centro de Sensoriamento Remoto da Universidade Federal de Minas Gerais (ISA/CSR-UFMG).

A iniciativa Brasil.io compila e atualiza informações sobre as comunidades indígenas e Covid-19 em áreas rurais em plataforma de monitoramento. Nela, utilizam-se dados da Sesai para apresentar a situação dos indígenas brasileiros durante a pandemia, de dados epidemiológicos até índices de vulnerabilidade.