PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Isolamento rígido: Camilo pede consciência e afirma que o objetivo "não é punir ninguém"

Entrada e saída dos limites de Fortaleza também serão controlada a partir desta sexta-feira. De acordo com Camilo, serão seis barreiras instaladas nas entradas e saídas da cidade

Matheus Facundo
19:38 | 07/05/2020
FORTALEZA-CE, BRASIL, 01-05-2020: Camilo Santana, governador do Ceará. Coletiva de imprensa do governador Camilo Santana com a presença do prefeito Roberto Cláudio, do secretário de Saúde do estado, Dr. Cabeto e a da secretária de saúde do município, Joana angéli ca Paiva Maciel no palácio da Abolição. ( Foto: Júlio Caesar / O Povo) (Foto: JÚLIO CAESAR)
FORTALEZA-CE, BRASIL, 01-05-2020: Camilo Santana, governador do Ceará. Coletiva de imprensa do governador Camilo Santana com a presença do prefeito Roberto Cláudio, do secretário de Saúde do estado, Dr. Cabeto e a da secretária de saúde do município, Joana angéli ca Paiva Maciel no palácio da Abolição. ( Foto: Júlio Caesar / O Povo) (Foto: JÚLIO CAESAR)

Durante live no Facebook na noite desta quinta-feira, 7, o governador Camilo Santana (PT) reforçou as medidas de isolamento social rígido para Fortaleza e afirmou: "Não temos objetivo de punir ninguém, queremos que as pessoas se conscientizem". A partir desta sexta-feira, 8, barreiras serão montadas na entrada e saída de Fortaleza e a circulação pela cidade será limitada.

O chefe do Executivo Estadual pontuou dois objetivos prioritários do endurecimento de medidas: a diminuição da evolução do vírus no interior do Estado e a possibilidade da ampliação, "ainda mais", do sistema de saúde. Já são 463 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) criados em todo o Ceará exclusivamente para pacientes com coronavírus. "Isso representa 60% [de leitos] a mais do que nós tínhamos na nossa rede do SUS. Mesmo com tudo isso, a gente está chegando ao limite de atendimento", afirmou Camilo.

Até a noite dessa quarta-feira, 6, a ocupação de leitos para o novo coronavírus no Estado estava em 93,5%. A situação é pior na capital cearense, que estava com 97,1% da ocupação de UTIs, segundo boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa).

"Não queremos chegar naquele limite que o médico vai ter de escolher quem vai para UTI e quem não vai", afirmou Camilo Santana. O Ceará ultrapassou os 900 óbitos em decorrência da Covid-19, em registro atualizado pela plataforma IntegraSUS nesta quinta-feira, 7, às 18h11min. São 903 mortes e 13.888 casos confirmados, sendo 9.669 somente em Fortaleza.

A partir desta sexta-feira, 8, só será permitido sair de casa em situações de extrema necessidade, como buscar atendimento em unidade de saúde, ir ao supermercado, à farmácia, se deslocar para seu local de trabalho, incluído na lista de serviços essenciais permitidos pelo decreto estadual, além de outras atividades. Será necessário comprovar com documentações ou declarações para a saída.

Entrada e saída dos limites de Fortaleza também serão controladas. De acordo com Camilo, serão seis barreiras instaladas nas entradas e saídas de Fortaleza. "Todos os órgãos de segurança estão preparados para a fiscalização", pontua o governador.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >