PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Empresa de venda de alumínio é fechada por descumprir decreto governamental

Cerca de 20 funcionários trabalhavam no local, descumprindo decreto que prevê que estabelecimentos do tipo devem estar fechados.

20:32 | 20/03/2020
Polícias Civil e Militar atuam na fiscalização de estabelecimentos proibidos de funcionar durante o decreto (Foto: Divulgação/SSPDS)
Polícias Civil e Militar atuam na fiscalização de estabelecimentos proibidos de funcionar durante o decreto (Foto: Divulgação/SSPDS)

Uma empresa de venda de alumínio no bairro Jóquei Clube foi fechada nesta sexta-feira, 20, por descumprir o decreto governamental que determina o fechamento de estabelecimentos comerciais para conter a propagação do novo coronavírus. Cerca de 20 funcionários trabalhavam no local, segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).

Conforme o decreto nº 33.519, a partir desta sexta-feira, estabelecimentos do tipo, entre vários outros, estão sujeitos a multa de R$ 50 mil caso mantenham as atividades. Os comércios estão sujeitos ainda a medidas como apreensão, interdição e emprego de força policial. As polícias Civil e Militar atuam na fiscalização dos estabelecimentos que descumprem o decreto governamental. "A população pode contribuir com o trabalho de fiscalização e denunciar casos de desobediência pelo telefone 190", informou a SSPDS. 

A SSPDS já havia divulgado que um bar localizado no bairro Outra Banda, em Maranguape (Região Metropolitana de Fortaleza) foi flagrado em pleno funcionamento. O dono do estabelecimento foi conduzido à delegacia, após não atender à determinação de policiais militares para o fechamento. Na Delegacia Metropolitana de Maracanaú, foi registrado termo circunstanciado de ocorrência (TCO) por crime contra a administração pública. A SSPDS afirmou que balanço das autuações deve ser repassado neste sábado, 21.

Relembre quais os estabelecimentos que podem e que não podem abrir até 27 de março.

I - bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;
II - templos, igrejas e demais instituições religiosas;
III - museus, cinemas e outros equipamentos culturais, público e privado;
IV - academias, clubes, centros de ginástica e estabelecimentos similares;
V - lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou prestem serviços de natureza privada;
VI - “shopping center”, galeria/centro comercial e estabelecimentos congêneres, salvo quanto a supermercados, farmácias e locais que prestem serviços de saúde no interior dos referidos dos estabelecimentos;
VII - feiras e exposições;
VIII - indústrias, excetuadas as dos ramos farmacêutico, alimentício, de bebidas, produtos hospitalares ou laboratoriais, obras públicas, alto forno, gás, energia, água, mineral, produtos de limpeza e higiene pessoal, bem como respectivos fornecedores e distribuidores.

Também estão interrompidos: 
I - frequência a barracas de praia, lagoa, rio e piscina pública ou quaisquer outros locais de uso coletivo e que permitam a aglomeração de pessoas;
II - operação do serviço de transporte rodoviário intermunicipal e metropolitano de passageiros, regular e complementar (a partir da 0 hora de 23 de março)
III - operação do serviço metroviário (a partir da 0 hora de sábado, 21).

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >