PUBLICIDADE
Noticia

Detonautas lança música perguntando sobre a origem dos R$ 89 mil recebidos por Michelle Bolsonaro; escute

"Hey Michelle, conta aqui para nós! A grana que entrou na sua conta é do Queiroz?", indaga um trecho da canção

20:27 | 04/09/2020
A música foi lançada nesta sexta-feira, 4 (Foto: Reprodução/YouTube)
A música foi lançada nesta sexta-feira, 4 (Foto: Reprodução/YouTube)

A banda de rock Detonautas divulgou uma sátira direcionada à primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, nesta sexta-feira (4). Utilizando os supostos depósitos, no total de R$ 89 mil, que teria sido enviado pelo ex-assessor Fabricio Queiroz, a canção tem a participação do humorista Marcelo Adnet imitando o presidente, Jair Bolsonaro. A música já está disponível nas principais plataformas.

Em um trecho, os filhos do presidente recebem nomes de personagens do cinema e da tevê. Flávio Bolsonaro, o zero um, foi apelidado de “Willy Wonka”, personagem do livro e do filme "A Fantástica Fábrica de Chocolate". O senador é suspeito de utilizar sua loja de chocolates, em um shopping, para lavar dinheiro no caso das rachadinhas em seu gabinete, quando era deputado estadual, no Rio de Janeiro.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, zero dois, recebeu o nome de "Bananinha", personagem do humorista Marcelo Beny que usa uniformes militares. Já o vereador da capital carioca, Carlos Bolsonaro pela semelhança dele com o personagem da novela “Mulheres de Areia” (Globo, 1993), foi denominado de “Tonho da Lua”. Tonho da Lua é retratado como um homem com problemas psiquiátricos e com dificuldades para lidar com a dualidade.

A sátira sugere que Carlos Bolsonaro passa o dia conspirando e arrumando confusão; e ironiza: "mas é tudo gente boa, gente de bom coração". Na letra, a banda pergunta à Michele o que teria levado o ex-assessor a depositar uma quantia tão elevada em sua conta. "Hey Michelle, conta aqui para nós! A grana que entrou na sua conta é do Queiroz?"

Os músicos relatam ainda que “o risco é maior e a ganância toma tudo então, e quanto mais tem mais se sente o dono da situação”. No último trecho, enfatizam: “Só que comigo não. Nunca me enganou, então responde logo como essa grana aí entrou”.

Escute