PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Em operação com a PF, Governo Federal assume controle da Cinemateca Brasileira

Secretário nacional do audiovisual chegou acompanhado de agentes da polícia para "pegar as chaves" da instituição que foram entregues a União. A mesma diz que já tomou medidas para preservar acervo

09:33 | 08/08/2020
Além de não ter repassado nenhuma parte dos R$ 12 milhões destinados ao equipamento em 2020, governo ainda deve R$ 11 mihões de 2019 à associação que administra o local (Foto: Divulgação)
Além de não ter repassado nenhuma parte dos R$ 12 milhões destinados ao equipamento em 2020, governo ainda deve R$ 11 mihões de 2019 à associação que administra o local (Foto: Divulgação)

Nessa sexta-feira, 7 de agosto, a Polícia Federal (PF), juntamente com um representante do governo, o secretário nacional do audiovisual substituto, Hélio Ferraz de Oliveira, da Secretaria Especial da Cultura realizaram operação na Cinemateca Brasileira, com o intuito de assumir o controle da instituição.

O presidente da Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto, Francisco Câmera, que faz a gestão da entidade, recebeu os representantes por volta das 9 horas da manhã no que descreveu ao Estadão com um “clima hostil”, com viaturas da PF e da Guarda Civil Metropolitana no local.

O Ministério do Turismo, ao qual Oliveira está vinculado, informa que foi encerrado o "processo de transferência de posse para a União". Dessa forma, a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto deixa de administrar a Cinemateca. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

A operação é fruto da demanda de Mario Frias, secretário especial da Cultura, que enviou um ofício à Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), gestora da instituição, exigindo a entrega das chaves da sede e outro imóvel do órgão até essa sexta-feira, 7 de agosto.

De acordo com Francisco Câmpera, diretor da Roquette Pinto, em entrevista para a Folha de São Paulo, a "transferência de posse" não aconteceu de forma transparente ou adequada. "Não houve um mandato judicial ou um ofício legal, a gente decidiu não prolongar essa agonia e demos as chaves. A luta não é para que a gente se mantenha na gestão, mas para que haja uma transição profissional", disse Câmpera.

De acordo com o Estadão, no local, Hélio Ferraz Oliveira negou qualquer intenção do ministério do Turismo em transferir a Cinemateca para Brasília. Apesar disso, em Julho o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estudava levar a Cinemateca para Brasília. Segundo o jornalista Robson Bonin, da revista Veja, o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) foi escolhido para estudar locações que poderiam receber o equipamento.

Entenda o que está acontecendo com a Cinemateca

Não é de hoje que a Cinemateca Brasileira pede socorro. Equipamento que preserva o acervo audiovisual do País e realiza projetos na área, a Cinemateca Brasileira tem sido um "campo de batalha" do Governo Federal na área da cultura.

Em 2020, a Cinemateca não recebeu nenhuma parcela do orçamento destinado à instituição. O local sofre problemas estruturais, tendo sido foco de incêndios nos últimos anos e de uma enchente em fevereiro de 2020. Profissionais da área chegaram a elaborar um abaixo-assinado com o título "Cinemateca Pede Socorro", denunciando o descaso com o equipamento.

Os salários de trabalhadores do local estão atrasados desde abril, e a instituição corre risco de ter o fornecimento de energia cortado por falta de pagamento. Além da verba de 2020, que ainda não foi repassada, o governo deve R$ 11 milhões à Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), que administra a Cinemateca, referentes aos custos de manutenção de 2019.

Repercussão

Diante dos recentes acontecimentos, os trabalhadores da Cinemateca Brasileira organizaram ato nomeado de “grito de alerta”, onde se reuniram na fachada do espaço para protestar.

“Queremos respostas dos representantes do governo e o comprometimento das autoridades com uma transição administrativa responsável, que leve em conta acervo & trabalhadores”. “Nossa luta é pelos trabalhadores e pela existência de um dos maiores acervos audiovisuais do mundo. A Cinemateca Brasileira é inseparável de seus trabalhadores!”, disseram a conta oficial dos trabalhadores da Cinemateca Brasileira no Twitter.