PUBLICIDADE
Tecnologia
NOTÍCIA

Brasileiros vencem concurso mundial de nanoarte; veja as imagens premiadas

Primeiro e terceiro lugar vão para brasileiros, assim como uma das menções honrosas

Catalina Leite
12:03 | 24/11/2020
Sands of SnO. (Foto: Fernanda da Costa Romeiro, Diego Luiz Tita, e Marcelo Ornaghi Orlandi)
Sands of SnO. (Foto: Fernanda da Costa Romeiro, Diego Luiz Tita, e Marcelo Ornaghi Orlandi)

O Brasil brilhou na edição de 2020 do concurso mundial NanoArtography, promovido pelo Instituto A. J. Nanomaterials da Universidade Drexel, dos Estados Unidos. Foram cinco brasileiros premiados, sendo o primeiro lugar destinado a uma equipe de três pesquisadores da Universidade do Estado de São Paulo (Unesp), com a obra Sands of SnO (imagem de capa).

A imagem de Fernanda Romeiro, Diego Tita e Marcelo Orlandi foi criada com microestruturas de um composto químico chamado óxido de estanho (SnO). Segundo a descrição da imagem, o SnO foi preparado por um método hidrotérmico, auxiliado por microondas, para a estrutura ficar parecida com as da areia quando observada em um microscópio. Depois, a imagem de 0,273 milímetros foi colorida digitalmente.

Já o terceiro lugar foi dividido entre três vencedores, incluindo o brasileiro Vitor Anibal do Sacramento Mendes, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). A arte premiada foi a Flower and Their Ties, uma micrografia (técnica de fotografia que usa lentes ópticas) da flor chuva de prata, como é conhecida no Brasil. 

Clique na imagem para abrir a galeria

Os outros colocados na terceira categoria são da Universidade Drexel, dos Estados Unidos, e da Universidade Wroclaw, da Polônia. De acordo com o site do concurso, o primeiro lugar receberá 700 dólares e os terceiros, 100 dólares cada.

O Brasil ainda teve um pesquisador como menção honrosa, Ricardo Tranquilin, também da UFSCar. Com experiência no universo da nanoarte e já vencedor de outras edições do concurso, Tranquilin foi laureado pela obra Perfect Balance. Usando óxido de manganês com sódio, níquel e magnésio, o pesquisador criou uma imagem muito parecida com pedras equilibradas.

“A ideia geral deste trabalho é a associação da natureza com imagens microscópicas, tanto em suas formas quanto em suas cores, para que seja possível convergir o mundo microscópico para o mundo comum”, descreve na apresentação da imagem ao concurso. Veja as imagens premiadas: