Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Covid-19: julho teve distribuição de 43 milhões de doses de vacinas

O balanço foi apresentado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que ressaltou a importância do SUS e dos profissionais de saúde durante cerimônia de entrega das medalhas da Ordem do Mérito Médico e de Mérito Oswaldo Cruz
17:49 | Ago. 05, 2021
Autor - Agência Brasil
Foto do autor
- Agência Brasil Autor
Tipo Notícia

No mês de julho, foram distribuídas mais de 43 milhões de vacinas contra a Covid-19. Foi o maior resultado desde o início da campanha de imunização. Até agora, o Ministério da Saúde e os laboratórios responsáveis por vacinas já distribuíram 184 milhões de doses a Estados e Municípios, com aplicação de 147 milhões de doses.

O balanço foi apresentado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante cerimônia de entrega das medalhas da Ordem do Mérito Médico e de Mérito Oswaldo Cruz, realizada nesta quinta-feira, 5, no Palácio do Planalto.

LEIA MAIS | Consórcio Nordeste suspende compra da vacina Sputnik V

Queiroga também destacou o Dia da Saúde para ressaltar o papel fundamental dos profissionais da área e do Sistema Único de Saúde (SUS) no combate à pandemia no País, especialmente no desenvolvimento e aplicação de vacinas.

“Tivemos a emergência de saúde pública da Covid-19 que abalou nossa sociedade e impôs mudanças de hábito. Ao mesmo tempo, impulsionou esforços coletivos para desenvolver, produzir e distribuir vacinas e produtos médicos em tempo recorde”, declarou.

O titular do Ministério destacou a construção do novo complexo industrial de biotecnologia em saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Para ele estão previstos investimentos de R$ 3,4 bilhões. De acordo com Queiroga, o projeto permitirá quintuplicar a capacidade de produzir vacinas e imunobiológicos.

Presidente

O presidente Jair Bolsonaro agradeceu aos profissionais de saúde, mencionando episódios que vivenciou, como o ataque durante uma atividade a campanha presidencial de 2018 na cidade de Juiz de Fora (MG) e que demandou internações e cirurgias.

Dois médicos envolvidos no tratamento do presidente nesse episódio, Antônio Macedo e Luiz Henrique Silva, estiveram entre os que receberam medalhas do Mérito Oswaldo Cruz na cerimônia.

“Muito obrigado a todos os profissionais de saúde pela vida difícil que têm. Vocês nos confortam. A vocês todos médicos, gratidão. Devo muito a vocês dois”, disse o presidente, em referência aos profissionais que o trataram.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: Brasil soma 560.706 mortes e 20.066.587 casos

Saúde
20:59 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Brasil superou a marca de 560 mil mortes por covid-19. Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 1.099 novos óbitos em decorrência da doença. Com isso, o total de vidas perdidas para a pandemia chegou a 560.706. Ontem, o total de mortes estava em 559.607.

A quantidade de pessoas que foram infectadas desde o início da pandemia alcançou 20.066.587. Entre ontem e hoje, foram confirmados 40.054 novos diagnósticos positivos. Ontem, o painel de informações da pandemia marcava 20.026.533 casos acumulados.

Ainda há 665.649 casos em acompanhamento. O nome é dado para pessoas cuja condição de saúde é observada por equipes de saúde e que ainda podem evoluir para diferentes quadros, inclusive graves.

Os dados estão na atualização desta quinta-feira (5) do Ministério da Saúde. O balanço sistematiza os registros levantados pelas secretarias estaduais de saúde sobre casos e mortes relacionados à covid-19.

O número de pessoas que se recuperaram da covid-19 chegou a 18.840.232.

Os dados em geral são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação do sistema pelas secretarias estaduais. Já às terças-feiras os resultados tendem a ser maiores pela regularização dos registros acumulados durante o fim-de-semana.

Estados

No topo do ranking de mortes por estado estão São Paulo (139.464), Rio de Janeiro (59.487), Minas Gerais (50.639), Paraná (35.586) e Rio Grande do Sul (33.496). Na parte de baixo da lista estão Acre (1.802), Roraima (1.886), Amapá (1.916), Tocantins (3.548) e Alagoas (5.845). O estado do Acre não registrou novas mortes entre ontem e hoje.

Vacinação

Começaram a ser distribuídas até hoje 184,4 milhões de doses. Foram entregues aos estados 175,8 milhões de doses.

Segundo os dados do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais de saúde, foram aplicados até hoje 147,2 milhões de doses, sendo 103,8 milhões da 1ª dose e 43,3 milhões da 2ª dose. Nas últimas 24 horas foi aplicado 1,3 milhão de doses.

Quando considerados os dados já consolidados no sistema de informações do Programa Nacional de Imunizações (PNI), foram aplicados 141 milhões de doses, com 99,8 milhões da 1ª dose e 41,2 milhões da 2ª dose.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: estados pedem apoio do governo para combate à variante Delta

Saúde
20:35 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Fórum de Governadores enviou ofício ao ministro da Saúde Marcelo Queiroga solicitando apoio ao combate à variante Delta do novo coronavírus. Os administradores estaduais colocam no documento uma preocupação com uma terceira onda da covid-19, impulsionada por essa variante.

No documento, os governantes solicitam vacinas adicionais ao Rio de Janeiro, um dos epicentros da disseminação da Delta. O quadro do estado é apontado não somente como ameaça à população carioca mas também aos esforços nacionais de combate à pandemia. Na capital do estado, a cepa representa 45% de todos os diagnósticos de covid-19.

No ofício, os governadores expressam “expectativa de que ações imediatas levadas a cabo por esse ministério sejam neste momento destinadas ao referido Estado, de modo a evitar uma catástrofe de proporções ainda mais graves no futuro próximo, caso o atual ritmo de transmissibilidade da variante Delta não seja contido em tempo hábil”.

Os governadores destacam que estudos indicam a variante delta com taxas de transmissibilidade 100% maiores do que o vírus original e 30% acima da variante Gama (primeiramente conhecida como P1).

O Ministério da Saúde informou à Agência Brasil que recebeu e analisa o ofício.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ceará tem 18,97% da população vacinada contra Covid-19

CORONAVÍRUS
19:27 | Ago. 05, 2021
Autor Mirla Nobre
Foto do autor
Mirla Nobre Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O Ceará tem um total de 1.742.961 pessoas que completaram a imunização contra a Covid-19 (duas doses de AstraZeneca, CoronaVac, Pfizer ou dose única da Janssen). A quantidade equivale a 18,97%* da população, de um total de 9,1 milhões de pessoas que residem no Estado. Em relação à primeira dose (D1), 3,9 milhões de pessoas receberam a vacina, contabilizando 43,10% da população do Estado. Ceará aplicou mais de 5,7 milhões de doses da vacina contra a doença em seis meses da campanha de vacinação contra a doença.

As informações são da plataforma Vacinômetro, da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), consolidadas às 17 horas dessa quarta-feira, 4. Já as estimativas da quantidade populacional são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A plataforma ainda mostra que, nas últimas 24 horas, 19 mil pessoas receberam a D1, 13 mil a D2 e 588 a dose única.

LEIA MAIS | Vacinas da Pfizer e da AstraZeneca neutralizam variante Delta após 2ª dose

+ Secretaria da Saúde confirma mais dois casos da variante Delta no Ceará e recomenda autoquarentena

No levantamento dos imunizantes que chegaram ao Ceará, por meio do Plano Nacional de Imunização (PNI), coordenado pelo Ministério da Saúde, mais de seis milhões de vacinas foram entregues ao Estado e foram distribuídas aos 184 municípios. A população vem sendo contemplada com doses das vacinas CoronaVac/Instituto Butantan, AstraZeneca/Oxford, Pfizer/BioNTech e Janssen/Johnson&Johnson — esta última utiliza apenas uma dose de aplicação para imunização contra o vírus.  

Confira os números da vacinação no Ceará

Total de doses aplicadas: 5.703.308
Total de D1 aplicadas: 3.960.347
Total de D2 aplicadas: 1.595.245
Total de doses únicas aplicadas: 147.716

LEIA TAMBÉM | Governadores do Nordeste suspendem compra da vacina russa Sputnik-V

Campanha de vacinação

Na campanha de vacinação contra a Covid-19 no Estado, todos os municípios cearenses já começaram a vacinar a população em geral. A nova etapa da campanha acontece de forma escalonada por ordem decrescente de idade, a partir dos 59 anos. Para receber a vacina, as pessoas devem estar devidamente cadastradas na plataforma Saúde Digital, da Sesa.

LEIA MAIS | Perdeu data da segunda dose da vacina contra Covid? Saiba onde ser imunizado

+ Passo a passo: como se cadastrar para a vacinação contra a Covid-19 no Ceará

Além do público em geral, as pessoas incluídas nos grupos prioritários das fases 1, 2, 3 e 4, do PNI, estão recebendo os imunizantes contra o coronavírus em paralelo. Dentre as categorias, estão: trabalhadores da saúde, idosos, indígenas, quilombolas, pessoas com comorbidades, grávidas, puérperas, pessoas portadoras de deficiência, moradores de rua, trabalhadores da educação, profissionais do transporte coletivo rodoviário, metroviário, aéreo, aquaviário, portuários entre outros.

Em Fortaleza, pessoas com 40 anos ou mais e que ainda não receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 poderão buscar qualquer centro de vacinação na Capital. Não há necessidade de agendamento prévio, mas as pessoas devem estar cadastradas no site Saúde Digital.

Veja os números de vacinados por grupo prioritário no Estado**

- Profissionais de Saúde (fase 1)

Dose 1 (D1): 259.391 (102%)
Dose 2 (D2): 223.686 (87%)
Dose Única (DU): 94

- Idosos institucionalizados (fase 1)

Dose 1 (D1): 2.198 (108%)
Dose 2 (D2): 2.169 (107%)
Dose Única: 0

- Indígenas (fase 1)

Dose 1 (D1): 19.469 (95%)
Dose 2 (D2): 19.191 (94%)

- Idosos > 75 anos (fase 1)

Dose 1 (D1): 375.318 (108,86%)
Dose 2 (D2): 360.263 (104,49%)
Dose Única: 105

- Deficientes institucionalizados (fase 1)

Dose 1 (D1): 559 (148,28%)
Dose 2 (D2): 534 (138%)
Dose Única: 0

- Idosos entre 70 e 74 anos (fase 2)

Dose 1 (D1): 238.894 (107,77%)
Dose 2 (D2): 217.835 (98,27%)
Dose Única (DU): 95

- Idosos entre 65 e 69 anos (fase 2)

Dose 1 (D1): 271.176 (98,35%)
Dose 2 (D2): 257.986 (93,57%)
Dose Única (DU): 95

- Idosos entre 60 e 64 anos (fase 2)

Dose 1 (D1): 334.488 (99%)
Dose 2 (D2): 271.387 (79%)
Dose Única: 538

- Povos e comunidades quilombolas (fase 2)

Dose 1 (D1): 14.965 (101%)
Dose 2 (D2): 12.940 (86%)
Dose Única: 0

- Trabalhadores da Força de Segurança, Salvamento e Forças Armadas (fase 2)

Dose 1 (D1): 32.653 (111%)
Dose 2 (D2): 9.338 (32%)
Dose Úncia: 59

- Gestantes, Puérperas e Comorbidades (fase 3)

Dose 1 (D1): 52.865 (92%)
Dose 2 (D2): 13.755 (24%)

- PCD e Comorbidades (Fase 3)

Dose 1 (D1): 417.657 (81%)
Dose 2 (D2): 118.816 (23%)
Dose Única: 725

- Trabalhadores da Educação (Fase 4)

Dose 1 (D1): 175.521 (98,22%)
Dose 2 (D2): 10.697 (6%)
Dose Única: 303

- Trabalhadores Portuários (Fase 4)

Dose 1 (D1): 2.975 (133%)
Dose 2 (D2): 45
Dose Única: 1

- Trabalhadores Transporte Aéreo (Fase 4)

Dose 1 (D1): 1.628 (96%)
Dose 2 (D2): 226
Dose Única: 4

*A Sesa destacou que os dados oscilam negativamente em relação aos dias anteriores por consequência de ajustes nas planilhas enviadas pelos municípios.

**As porcentagens da vacinação da população cearense são definidas com base em metas estabelecidas pela Secretaria Estadual da Saúde do Ceará (Sesa) para cada público prioritário. As taxas de aplicação correspondem às doses que já foram distribuídas. Mediante o envio de lotes de vacinas pelo Ministério da Saúde (MS), as doses dos imunizantes são distribuídas aos municípios proporcionais às estimativas populacionais de cada grupo prioritário (meta).259.285

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Governo do Ceará foca na aquisição direta de CoronaVac para ampliar vacinação

Covid-19
18:58 | Ago. 05, 2021
Autor Gabriela Custódio
Foto do autor
Gabriela Custódio Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Com a suspensão da compra da vacina Sputnik V por estados do Nordeste, anunciada na tarde desta quinta-feira, 5, o Ceará terá como foco a aquisição de doses da CoronaVac diretamente da farmacêutica Sinovac e do Instituto Butantan. Atualmente, o Governo do Ceará negocia três milhões de doses da vacina para acelerar a imunização no Estado. O POVO apurou que as tratativas com o Governo de São Paulo e com a empresa chinesa estão avançadas, aguardando formalização.

"Diante da lentidão do Governo Federal no fornecimento de vacinas para os estados, temos buscado todas as formas da aquisição direta junto aos laboratórios para acelerar a vacinação, principalmente com a ameaça da nova variante Delta. Seguimos firmes agora para a aquisição de mais três milhões de doses da CoronaVac para os cearenses, através de contrato direto com o Instituto Butantã", afirmou o governador Camilo Santana (PT), em publicação nas redes sociais.

Um secretário do Governo do Ceará foi enviado à China em maio deste ano para tratar sobre a aquisição diretamente com a Sinovac. Pelo contrato com o Instituto Butantan, que representa a empresa no Brasil, a liberação das doses passou a depender de autorização do governo paulista. Em entrevista coletiva no dia 14 de julho, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), confirmou que irá atender à solicitação do governador do Ceará.

Além disso, Dória informou que também foi procurado por José Renato Casagrande (PSB), governador do Espírito Santo, para a aquisição de doses extras da CoronaVac.

"Daquilo que São Paulo não usar dessas 30 milhões (de doses), e tudo indica que teremos uma sobra de vacinas, nós vamos disponibilizar para os estados que nos solicitarem. Até o limite, evidentemente, daquilo que for possível atender. No caso específico do Ceará e do Espírito Santo, vamos atender", afirmou.

O chefe do Executivo de São Paulo referia-se a 30 milhões adicionais da CoronaVac que o governo estadual adquiriu para vacinar a população.

Suspensão da compra da Sputnik V

Na mesma publicação nas redes sociais, Camilo Santana informou que a suspensão do contrato de compra da Sputnik V teria ocorrido devido a novas limitações impostas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A vacina estava sendo negociada por estados do Nordeste diretamente com Fundo Soberano Russo, responsável pelo imunizante.

"Isso ocorre devido a novas limitações impostas pela Anvisa, do Governo Federal, que desde o começo desse processo tem colocado sucessivas barreiras para a efetivação da importação e uso da vacina", afirmou o governador.

O contrato previa a compra de 37 milhões de doses da vacina que seria distribuída entre os estados da região Nordeste. Delas, mais de 5,5 milhões de doses seriam para o Ceará.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Consórcio Nordeste suspende compra da vacina Sputnik V

Saúde
18:19 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Consórcio Nordeste, que reúne governadores da região, anunciou hoje (5) que suspendeu a compra de 37 milhões de doses da vacina contra a covid-19 Sputnik V, da Rússia. O contrato só será retomado caso haja autorização para o uso do imunizante pelas autoridades sanitárias.

Segundo o presidente do consórcio, governador do Piauí, Wellington Dias, a decisão foi tomada por conta dos condicionantes impostos pela Anvisa e pela não inclusão do imunizante no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

“É lamentável, o Brasil vive uma situação com alta mortalidade, mais de mil óbitos por dia. Temos vacinas disponíveis, mas impedidas de entrar no Brasil devido uma decisão da Anvisa que faz uma alteração no padrão de teste junto com a não inclusão do Ministério da Saúde no plano nacional de vacinação e a falta da licença de importação, tivemos a suspensão da entrega da vacina até que se tenha uma autorização do uso do imunizante no Brasil”, disse Dias.

A Anvisa liberou a importação em junho. Mas apontou uma série de exigências em razão da falta de documentos e de possíveis riscos identificados no imunizante. Entre os condicionantes estão limites para os lotes e testagem das vacinas para averiguar determinados aspectos, como riscos decorrentes do uso da tecnologia de vírus inativado.

A Anvisa também condicionou a aplicação das vacinas à autorização pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). Os estados cuja importação foi autorizada também precisam realizar estudos de efetividade.

A Agência Brasil entrou em contato com a Anvisa e com o Ministério da Saúde e aguarda retorno.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags