Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Consórcio Nordeste suspende compra da vacina Sputnik V

Autor - Agência Brasil
Foto do autor
- Agência Brasil Autor
Tipo Notícia

O Consórcio Nordeste, que reúne governadores da região, anunciou hoje (5) que suspendeu a compra de 37 milhões de doses da vacina contra a covid-19 Sputnik V, da Rússia. O contrato só será retomado caso haja autorização para o uso do imunizante pelas autoridades sanitárias.

Segundo o presidente do consórcio, governador do Piauí, Wellington Dias, a decisão foi tomada por conta dos condicionantes impostos pela Anvisa e pela não inclusão do imunizante no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

“É lamentável, o Brasil vive uma situação com alta mortalidade, mais de mil óbitos por dia. Temos vacinas disponíveis, mas impedidas de entrar no Brasil devido uma decisão da Anvisa que faz uma alteração no padrão de teste junto com a não inclusão do Ministério da Saúde no plano nacional de vacinação e a falta da licença de importação, tivemos a suspensão da entrega da vacina até que se tenha uma autorização do uso do imunizante no Brasil”, disse Dias.

A Anvisa liberou a importação em junho. Mas apontou uma série de exigências em razão da falta de documentos e de possíveis riscos identificados no imunizante. Entre os condicionantes estão limites para os lotes e testagem das vacinas para averiguar determinados aspectos, como riscos decorrentes do uso da tecnologia de vírus inativado.

A Anvisa também condicionou a aplicação das vacinas à autorização pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). Os estados cuja importação foi autorizada também precisam realizar estudos de efetividade.

A Agência Brasil entrou em contato com a Anvisa e com o Ministério da Saúde e aguarda retorno.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: julho teve distribuição de 43 milhões de doses de vacinas

Saúde
17:49 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

No mês de julho, foram distribuídas mais de 43 milhões de vacinas contra a covid-19. Foi o maior resultado desde o início da campanha de imunização. Até agora, o Ministério da Saúde e os laboratórios responsáveis por vacinas já distribuíram 184 milhões de doses a estados e municípios, com aplicação de 147 milhões de doses.

O balanço foi apresentado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, durante cerimônia de entrega das medalhas da Ordem do Mérito Médico e de Mérito Oswaldo Cruz, realizada hoje (5) no Palácio do Planalto.

Queiroga também destacou o Dia da Saúde para ressaltar o papel fundamental dos profissionais da área e do Sistema Único de Saúde (SUS) no combate à pandemia no país, especialmente no desenvolvimento e aplicação de vacinas.

“Tivemos a emergência de saúde pública da covid-19 que abalou nossa sociedade e impôs mudanças de hábito. Ao mesmo tempo, impulsionou esforços coletivos para desenvolver, produzir e distribuir vacinas e produtos médicos em tempo recorde”, declarou.

O titular do Ministério destacou a construção do novo complexo industrial de biotecnologia em saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Para ele estão previstos investimentos de R$ 3,4 bilhões. De acordo com Queiroga, o projeto permitirá quintuplicar a capacidade de produzir vacinas e imunobiológicos.

Presidente

O presidente Jair Bolsonaro agradeceu aos profissionais de saúde, mencionando episódios que vivenciou, como o ataque durante uma atividade a campanha presidencial de 2018 na cidade de Juiz de Fora (MG) e que demandou internações e cirurgias.

Dois médicos envolvidos no tratamento do presidente nesse episódio, Antônio Macedo e Luiz Henrique Silva, estiveram entre os que receberam medalhas do Mérito Oswaldo Cruz na cerimônia.

“Muito obrigado a todos os profissionais de saúde pela vida difícil que têm. Vocês nos confortam. A vocês todos médicos, gratidão. Devo muito a vocês dois”, disse o presidente, em referência aos profissionais que o trataram.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

SP diz que acionará a Justiça após repasse menor de doses da Pfizer

Saúde
15:33 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O governo de São Paulo anunciou hoje (5) que acionará a Justiça para questionar o Ministério da Saúde sobre repasse menor de doses da vacina contra covid-19 da Pfizer.

Nessa quarta-feira (4), o governador de São Paulo, João Doria, informou ter encaminhado um ofício ao Ministério da Saúde. Segundo o governador, São Paulo recebeu 228 mil doses do imunizante que chegaram nesta semana ao país e o estado teria direito a 456 mil doses.

“Em nome do interesse público e do cidadão, acionaremos o Poder Judiciário para discutir o critério adotado”, disse Lia Porto, procuradora-geral do estado. A procuradora Camila Pintarelli classificou a situação de “inusitada” e disse que o governo estadual acionará a Justiça assim que forem concluídos estudos técnicos.

Comissão tripartite

Em entrevista hoje (5), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que a judicialização dessa questão é um direito, mas não concorda com a decisão do governo estadual. “A judicialização é um direito que todos têm, mas nós não defendemos a judicialização como forma de implementação de políticas públicas. Se busca o Judiciário para satisfazer essas irresignações, mas eu penso que essas questões devem ser discutidas no âmbito administrativo”, disse o ministro.

De acordo com o ministro, não é o ministério que define a quantidade de doses, mas uma comissão tripartite, com a participação dos secretários de Saúde estaduais e municipais. “De minha parte, se ficar demonstrado que não houve essa alocação adicional para São Paulo, isso pode ser corrigido. Mas creio que a decisão foi tomada pela tripartite de maneira própria”, declarou Queiroga.

Metodologia

Em entrevista coletiva no final da tarde de ontem, a secretária Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite, disse que houve uma mudança na metodologia de distribuição das vacinas. Se antes as doses eram divididas com base nos públicos prioritários, agora são enviadas a cada estado para a vacinação por faixas etárias. Ela acrescentou que, em razão da disparidade entre os estados, o Ministério da Saúde passou a fazer uma compensação para que os mais atrasados na vacinação possam avançar.

Nesta quinta-feira, o governo de São Paulo voltou a questionar o ministério e informou que não foi comunicado anteriormente sobre a redução nas doses. “Não estamos falando em ajuste fino [pelo Ministério da Saúde], o que acontece ao longo da vacinação. Pequenos ajustes acontecem e aconteceram. Mas em nenhum momento isso virou situação critica. Estamos falando aqui não de mera adequação, mas de ruptura do processo que vinha sendo praticado pelo ministério”, disse Eduardo Ribeiro, secretário-executivo da secretaria estadual da Saúde de São Paulo.

O governo paulista também negou que tenha retido doses a mais da vacina CoronaVac, do Instituto Butantan, que deveriam ter sido repassadas ao ministério.

Vacinação de adolescentes

Essas doses da vacina da Pfizer seriam utilizadas pelo governo de São Paulo para iniciar a vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos. A Pfizer é, atualmente, a única vacina com aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a imunização dessa faixa etária.

A intenção do governo de São Paulo era vacinar os adolescentes a partir do dia 18 de agosto, iniciando por aqueles que têm comorbidades. Segundo Ribeiro, a vacinação de adolescentes planejada pelo governo de São Paulo fica prejudicada com a redução do envio das doses desse imunizante. “A vacinação desses adolescentes está em aberto até que o Ministério da Saúde regularize essa situação”, destacou..

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ministro defende transferência de tecnologias para produção de vacinas

Saúde
13:13 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, defendeu hoje (5) a transferência de tecnologias a países em desenvolvimento, visando à fabricação local de vacinas. Segundo o ministro, a falta de acesso a vacinas contra a covid-19 representa risco para todos países.

Carlos França fez a afirmação, por meio de videoconferência, durante o Fórum Internacional sobre Cooperação em Vacinas contra Covid-19. “Os países menos desenvolvidos estão sofrendo com a falta de acesso às vacinas existentes, com consequências perigosas em todo o mundo”, disse o chanceler brasileiro, ao apontar como prioridade de sua pasta o comprometimento com o acesso “igualitário e acessível” a vacinas seguras, eficazes e de qualidade.

“Esta pandemia também mostrou que a promoção da produção local e os mecanismos de transferência de tecnologia são essenciais para fortalecer e garantir sistemas nacionais de saúde sustentáveis”, disse o ministro, ao afirmar que a escassez global de vacinas resulta de limitações na capacidade de fabricação e de gargalos na cadeia de abastecimento global.

O ministro reiterou que o Brasil tem trabalhado para consolidar uma estrutura internacional que incentive a produção e distribuição local de vacinas, insumos farmacêuticos ativos e outros produtos para a saúde. “Instamos todos os países a fazerem o seu melhor para facilitar a transferência de tecnologia para os países em desenvolvimento, que é de interesse estratégico para promover a saúde global”, completou França.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

São Paulo começa vacinação para pessoas com 26 anos de idade

Saúde
11:45 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A cidade de São Paulo começa, hoje (5), a vacinação contra a covid-19 para as pessoas com 26 anos de idade. A previsão é que 146,5 mil pessoas dessa faixa de idade sejam imunizadas. Amanhã (6), será aberta a vacinação para as pessoas com 25 anos de idade.

Para se vacinar é necessário apresentar um comprovante de residência na capital paulista e documento de identidade, de preferência com o número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). Também é recomendado que seja feito o pré-cadastro na página Vacina Já, para agilizar o procedimento.

É possível acompanhar as filas nos pontos de vacinação pela plataforma De Olho na Fila. A lista completa dos pontos de vacinação também está disponível na internet.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Soligo diz que foi 'colaborador eventual' antes de contratação na pasta da Saúde

POLÍTICA
11:35 | Ago. 05, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em sua fala inicial à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o ex-assessor especial do Ministério da Saúde Airton Antônio Soligo, conhecido como "Cascavel", que atuou no cargo durante a gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello, declarou que foi um "colaborador eventual" da pasta antes de sua contratação. Em 2020, a imprensa revelou a atuação informal do empresário no Ministério.

Após a denúncia, Pazuello nomeou o amigo como assessor especial, cargo que ocupou de junho do ano passado a março de 2021. De acordo com Soligo, ele conheceu Pazuello durante sua atuação na Operação Acolhida. Sobre sua chegada ao ministério, ele afirmou que inicialmente foi convidado para ser assessor por dez dias pelo então ministro Nelson Teich, que logo saiu do ministério, quando Pazuello assumiu e o nomeou.

Soligo declarou que quando chegou à pasta, sua função não era de "especialista de saúde", mas de interlocução, atuando de forma institucional na relação com o Congresso Nacional e com os municípios. Questionado, disse se sentir preparado para o cargo. "Sinto que estava preparado para essa função", disse. "Nunca vi um secretário municipal estadual me condenar, diziam inclusive que eu ajudava".

Destacando sua atuação no Parlamento, o depoente afirmou que "muito mais que um empresário", ele se considerava um servidor público. Cascavel disse que dedicou mais da metade da sua vida ao serviço público. "Fui prefeito municipal aos 24 anos, fui deputado constituinte, presidente da Assembleia Legislativa do meu Estado, vice-governador, presidente do conselho deliberativo do Sebrae, presidente da companhia de desenvolvimento, deputado federal pelo PPS, e na Câmara, fui presidente de duas comissões", declarou, afirmando ter exercido todos esses cargos pelo seu Estado, Roraima.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags