PUBLICIDADE
Saúde
Noticia

Dias de muito calor e pouco vento em Fortaleza afetam a saúde e até a digestão

A saúde pode ser afetada pelo clima. Veja como manter a hidratação e sofrer menos com as altas temperaturas

Izadora Paula
16:43 | 26/03/2020
Ao calor convencional de Fortaleza junta-se a falta de vento dos últimos dias
Ao calor convencional de Fortaleza junta-se a falta de vento dos últimos dias (Foto: O POVO.doc)

As temperaturas em Fortaleza durante esta semana, de segunda-feira, 23, até esta quinta, 26, atingiram picos de 32 e 33,7ºC, conforme informações da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Os dados apresentados pela fundação reforçam o que o morador da Capital já sabe: a sensação de calor tem sido cada vez maior, causando desconforto e incômodo.

As umidades relativas do ar têm estado entre 70% e 90% ao longo do dia, com o vento de velocidades consideradas baixas, quase nulas, com média de 5 km/h. Em determinados momentos, até mesmo as rajadas não têm sido fortes. Com essas condições, é fácil sentir no próprio corpo os malefícios da altas temperaturas. O POVO conversou com uma nutricionista, tentando entender as causas do mal-estar e como evitá-lo.

Sistema digestivo

Segundo a nutricionista Érika Paula, o calor não tem capacidade de causar problemas no sistema digestivo por conta própria, mas pode influenciar de outras formas. "O calor deixa uma temperatura mais adequada para proliferação, para o aumento das bactérias e de alguns tipos de vírus. Essas bactérias e esses vírus vão se proliferar nos alimentos perecíveis, na carne, nos ovos, no peixe, no frango e em algumas frutas se eles não tiverem adequadamente refrigeradas. E aí que tá o problema", elucida a profissional.

Quando é feito o consumo de alimentos com essa proliferação bacteriana, o corpo vai ter problemas como diarreia ou vômitos. Conforme a nutricionista, isso ocorre quando o corpo tenta se proteger dessa ameaça, expulsando as toxinas e se curando o mais rápido possível. Para isso, é utilizada a água que etá dentro do organismo. "Se você junta a contaminação do alimento, o calor e o baixo consumo de água, que é muito comum na nossa população, você acaba gerando quadros de desidratação".

A desidratação acontece quando consumimos uma quantidade inferior de água do que o nosso corpo precisa, ou quando estamos expostos a muita radiação solar e calor, já que há mais transpiração. Os principais sintomas da desidratação, conforme Érika Paula, são: irritação, dores de cabeça, constipação, urina de cor mais forte e moleza no corpo, semelhante ao que sentimos durante uma gripe, por exemplo.

"Tudo isso a gente resolve bebendo água. O recomendado é entre 30 a 40 ml de água por quilograma de peso. Uma boa forma de avaliar se você está beebendo água suficiente é pela urina. Ela tem que ser translúcida ou clarinha, pouquíssimo amarelada. A desidratação pode causar diversos sintomas que as pessoas acabam confundindo com doenças como a gripe", explicou.

Além do consumo de água, a nutricionista sugere também água saborizada, usando ingredientes como limão, hortelã e gengibre. "São formas de deixar a água com sabor diferente, para que você consuma ainda mais", afirmou. O consumo de sucos, vitaminas, frutas e legumes também auxilia na quantidade de água a ser atingida diariamente.

Érika Paula deixou duas sugestões para a hidratação. A primeira delas é um suco hidratante, a ser preparado no liquidificador. O segundo, uma água saborizada com efeito estimulante e termogênico, é feito através de infusão.

Confira abaixo as duas receitas:

Suco hidratante

1 fatia de melancia
1 xícara de água de coco (pode ser água mineral ou filtrada)
5 folhas de hortelã
Suco de meio limão
Modo de preparo: bata tudo no liquidificador e tome sem coar.

Água de laranja, gengibre e canela (estimulante e termogênica)

10 folhas de hortelã frescas
3 canelas em pau
3 rodelas finas de gengibre fresco
4 rodelas de laranja (ou tangerina) com a casca
1 litro de água filtrada (ou mineral)

Importância da nutrição

Embora não seja causada diretamente pelo aumento da temperatura, a desnutrição também possui sintomas que podem ser confundidos com outras doenças. "A desnutrição é causada pelo baixo consumo de nutrientes, vitaminas, minerais e proteínas. Existem milhares de sintomas, que vão desde uma desnutrição leve até a mais pesada", esclarece Érika Paula.

Os sintomas são diretamente influenciados pelos nutrientes que o corpo necessita. Por exemplo, no caso de uma anemia que é constituída pela falta de ferro ou da vitamina B12, os sintomas são de cansaço e falta de disposição. "Alguns minerais como magnésio, podem causar uma mudança na nossa personalidade. Eles causam mudança na forma como a gente reage, a gente fica estressado muito mais rápido, triste mais rápido. Então existem milhares de sintomas para cada nutriente que a gente não consome", exemplificou.

Além de manter uma alimentação melhor, a dica da nutricionista é que aumente, também, o consumo de frutas, verduras e legumes em quantidade razoável. "Também podemos consumir castanhas de caju, castanhas do pará, já que elas são riquíssimas em minerais", conclui.

Com informações da repórter Ismia Kariny