PUBLICIDADE
Saúde
NOTÍCIA

Confira dicas para proteger o fígado e diminuir efeitos do consumo de álcool neste fim de ano

Para garantir que a ressaca não será um problema, devem ser observados diversos pontos. Cuidados antes, durante e depois do consumo de álcool estão na lista

Izadora Paula
17:57 | 26/12/2019
Bebidas alcoólica fazem parte da maioria das comemorações de Ano Novo. No Aterro da Praia de Iracema não é diferente
Bebidas alcoólica fazem parte da maioria das comemorações de Ano Novo. No Aterro da Praia de Iracema não é diferente (Foto: O POVO)

Durante as celebrações de fim de ano, há diversas formas de comemoração. Pode ser em casa, visitando a família, na calçada com os vizinhos, em festas particulares ou no Aterro da Praia de Iracema. Na maioria dessas situações, as pessoas costumam consumir bebidas alcoólicas. Para evitar o mal estar próprio do excesso de consumo de álcool logo no primeiro dia do novo ano, confira algumas dicas para proteger o seu fígado.

A ingestão de álcool prejudica nossa saúde e boa forma a partir da perda de eficácia do fígado para metabolizar e armazenar hormônios e nutrientes fundamentais. A alimentação saudável é uma das formas de proteger o órgão de forma natural, além de chás de ervas e hidratação.

Para garantir que a ressaca não será um problema, devem ser observados diversos pontos. Cuidados antes, durante e depois do consumo de álcool estão na lista. Sandro Marjorie, especialista em medicina tradicional chinesa, explica que toda a alimentação no dia 31 de dezembro deve ser cautelosa para aqueles que gostam de comemorar com bebidas alcoólicas. É importante consumir no almoço alimentos ricos em fibra, leguminosas, verduras e saladas, além de arroz e macarrão integral. “São alimentos que podem ser inseridos durante o dia e que melhoram o trânsito estomacal e intestinal, que não ficam presos no seu organismo durante o dia”, explica.

Conforme o especialista, o consumo de alimentos mais gordurosos e ricos em carboidratos ao longo do dia acaba sobrecarregando o organismo, já que o corpo não consegue digerir completamente tudo o que foi consumido. Somando a isso o consumo de alcoólicos, há uma piora na situação, por isso a importância de consumir alimentos verdes e ricos em fibra.

Durante o consumo de bebidas, também é importante manter-se alimentado, e as dicas de alimentos continuam iguais aos do almoço: frutas, verduras, leguminosas e alimentos ricos em fibra. Além disso, também é importante o consumo de água. “Toda bebida alcoólica desidrata. O corpo expulsa muita água tentando eliminar toxinas, o que desidrata muito mais rápido. Por isso, é importante consumir água”, diz Sandro. Ele esclarece também que beber água intermitentemente não cancela ou altera o efeito do álcool. “Para cada dose de whisky e para cada cálice de vinho, por exemplo, um copo de água”, pontua.

Entretanto, deve-se ter atenção com o consumo de água com gás. “Água gaseificada pode agredir ainda mais o processo estomacal. Se estiver passando por gastrite, prisão de ventre, grande produção de gases, pode piorar. Se não tiver outra opção, pode consumir, mas não é o ideal”, acrescenta.

Há também a importância de não misturar bebidas alcoólicas, já que estes produtos são compostos de diversas substâncias naturais e artificiais, não somente o álcool. “Tudo isso sobrecarrega o organismo.”

Junto a tudo isso, é importante consumir bebidas alcoólicas com cautela e equilíbrio, identificando e respeitando os limites do próprio corpo. “Uma comemoração passa rápida, mas uma ressaca dura bem mais. Embora o dia 1º de janeiro não seja dia de trabalho, não pode ser um dia apagado, morto”, finaliza.

Para o dia seguinte, Sandro sugere a ingestão de infusões de ervas para ajudar a eliminar toxinas e o excesso de álcool no sangue, auxiliando no alívio dos sintomas da ressaca. Foram sugeridas pelo especialista três infusões. A primeira é a infusão em gengibre, que garante uma maior imunidade e reduz inchaço e retenção de líquido, devido ao seu poder adstringente e antibiótico natural. A outra dica é a infusão em hortelã, fonte de frescor e bem-estar, promovendo uma melhor digestão. E por último a infusão em hibisco, que regula a circulação sanguínea por ser rica em flavonoides e ajuda a regular o trânsito intestinal. Confira abaixo como preparar as infusões:

Gengibre

Pode ser preparado a partir de rodelas cortadas ou do gengibre ralado. O gengibre deve ser adicionado a água em temperatura próxima de 100º C, que é a temperatura do chá. Deixe repousar por cinco minutos e coe. Está pronto para consumo.

Mel de abelha e limão são opcionais.

Não ultrapasse 400 ml por dia.

Pode ser consumido a qualquer hora do dia, não tem muitas restrições.

Hortelã

O modo de preparo é similar ao do gengibre.

Mel de abelha e limão são opcionais.

Não ultrapasse 600 ml por dia.

Não é recomendável perto da hora do almoço; por ter propriedade refrescante e ação depurativa no estômago, pode diminuir a digestão.

Hibisco

Devem ser preparados de 2 a 3 gramas para cada meio litro de água. Infusão de 6 a 10 minutos, temperatura da água de 80º C (pouco antes da fervura, quando bolhinhas de água estiverem se acumulando na lateral da chaleira). Não deixe chegar até os 100ºC pois a erva perde as propriedades.

Pode ser tomado gelado, mas no máximo depois de 3 ou 4 horas da infusão; após esse tempo, a erva começa a perder as propriedades.

Mel de abelha e limão são opcionais.

Não ultrapasse 400 ml por dia.

Consumir preferencialmente após as refeições, bem alimentado.

Ventosaterapia

O médico Sandro Marjorie, especialista em medicina tradicional chinesa, explica que o procedimento com uso da ventosaterapia pode ajuda bastante a eliminar toxinas e o excesso de álcool através de depuração no sangue. “O organismo busca alívio para os efeitos da famosa ’ressaca’. O procedimento com o uso da ventosaterapia ajuda bastante a eliminar toxinas e o excesso de álcool através de depuração no sangue”, pontua.

Sandro explica que associada a acupuntura, a ventosaterapia também ajusta melhor os meridianos que otimizam a depuração do fígado, baço e rins, resultando em uma sensação de alívio.