PUBLICIDADE
Saúde
Noticia

Conheça o caso da mulher que pode morrer se virar cabeça para o lado

Rachel Pighills foi diagnosticada com várias doenças que afetam sua medula espinhal e cabeça

16:28 | 01/11/2019
Em 2017, Rachel tomava remédios para o distúrbio que causa hiperatividade no sistema imunológico, o que a fez vomitar com bastante frequência. De lá para cá, o número de doenças só aumentou
Em 2017, Rachel tomava remédios para o distúrbio que causa hiperatividade no sistema imunológico, o que a fez vomitar com bastante frequência. De lá para cá, o número de doenças só aumentou (Foto: Reprodução)

Virar a cabeça para o lado esquerdo se tornou o maior medo de Rachel Pighills. Em julho deste ano ela foi diagnosticada com diversas doenças que afetam sua medula espinhal e cabeça, ela afirma que um simples giro à esquerda pode mata-lá. As informações são da BBC.

Rachel tem 33 anos e é mãe de uma menina de 12. Em entrevista ao veículo britânico, ela contou que pretende viajar à Espanha em busca de um tratamento, já que existem apenas três cirurgiões que podem realizar a operação (cerca de R$ 700 mil), mas nenhum está no Reino Unido.

Em 2017, Rachel tomava remédios para o distúrbio que causa hiperatividade no sistema imunológico, o que a fez vomitar com bastante frequência – ela chegou a perder 38kg. A primeira suspeita dos médicos era de que se tratava de um tumor no cérebro, hipótese descartada após uma ressonância.

Rachel  pretende viajar à Espanha em busca de um tratamento, já que existem apenas três cirurgiões que podem realizar a operação necessária
Rachel pretende viajar à Espanha em busca de um tratamento, já que existem apenas três cirurgiões que podem realizar a operação necessária (Foto: Reprodução)

Em outubro do mesmo ano, ela descobriu que tinha doença de Addison, distúrbio em que as glândulas adrenais não produzem hormônios suficientes. Então iniciou um tratamento para corrigir seu nível de cortisol.

Em 2018, após bater a cabeça em um ventilador de teto, os sintomas se agravaram. Ela foi diagnosticada com síndrome de taquicardia corporal ortostática (Pots), que consiste numa resposta anormal do sistema nervoso autônomo ao se levantar. Apesar de ter sintomas semelhantes à pressão baixa, no Pots não ocorre redução da pressão arterial.

Em 2019, a mulher descobriu mais três doenças. Em maio soube que tem malformação de Chiari, quando o tecido cerebral se estende para o canal medular. Em junho, que possui platybasia, doença que causa o achatamento anormal na base do crânio. E também invaginação basilar, anomalia em que parte superior da coluna empurra a base do crânio, causando beliscões e pressionando o tronco cerebral.

Todos esses problemas, de acordo com os médicos, podem ter sua causa por um distúrbio do tecido conjuntivo.