Participamos do

Funai veta pesquisa sobre contaminação de yanomamis por mercúrio de mineração

O pedido à Fiocruz veio da Associação Texoli, subgrupo do povo yanomami, por meio de carta enviada ao órgão
16:56 | Nov. 23, 2021
Autor Alice Araújo
Foto do autor
Alice Araújo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Fundação Nacional do Índio (Funai) proibiu pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), instituição ligada ao Ministério da Saúde, de realizar uma pesquisa sobre o impacto da mineração ilegal nas terras indígenas yanomami. O estudo teria como foco analisar a contaminação por Mercúrio de indígenas da região. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

A Fiocruz iria coletar amostras de cabelo dos indígenas yanomami e de peixes do Rio Macujaí, em Roraima, a fim de avaliar o teor do mineral e o possível prejuízo à saúde local. A presença da mineração nas terras desses povos, principalmente na região do Macujaí é tão forte, que para possibilitar maior exploração pelos garimpeiros, o curso do rio chegou a ser alterado.

O pedido à Fiocruz veio da Associação Texoli, subgrupo do povo yanomami, por meio de carta enviada ao órgão. "São muitos os garimpeiros que trabalham em nosso rio Mucajaí e afluentes, causando desastre ambiental e social. Nós achamos que o nosso povo está sendo envenenado com o mercúrio utilizado pelos garimpeiros", disse a Texoli, no documento enviado em outubro.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A Fiocruz já havia obtido todas as outras autorizações necessárias para a realização do estudo, inclusive do Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa). Ao justificar a proibição, a Funai, órgão ligado ao governo, argumentou estar cumprindo a portaria 419, de 17 de março de 2020, que suspende novas autorizações de entrada nas terras indígenas.

Lideranças indígenas têm alertado que a presença de cerca de 20 mil garimpeiros ilegais vem afetando seriamente o povo yanomami, que passa por uma crise de saúde, com a proliferação de casos de desnutrição infantil e malária. A reserva yanomami é a maior do país, onde estima-se que vivem cerca de 28 mil pessoas na região. Enquanto isso, o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) tem feito promessas de legalizar a atividade mineradora.



Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags