Participamos do

Para viabilizar Auxílio Brasil, senadores articulam alternativa à PEC dos Precatórios, afirma Girão

Segundo o senador cearense, crítico do orçamento secreto, o objetivo é viabilizar o benefício social, porém, dentro do limite do teto de gastos
13:39 | Nov. 15, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) afirmou, nesta segunda-feira, 15, que um grupo de senadores articulam um texto alternativo à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos Precatórios. Em entrevista à rádio O POVO CBN, a parlamentar disse que a iniciativa, do senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), estabelece um novo regime de pagamentos para os precatórios e deve garantir o benefício para as pessoas mais vulneráveis, sem que haja quebra do teto de gastos.

“Estamos tentando construir quem sabe até uma unanimidade dentro do senado para devolver à câmara uma PEC que possa ajudar a quem precisa e respeitar as regras do jogo. O senado vai procurar fazer um auxílio permanente, respeitando o teto, mas garantindo às pessoas o Auxilio Brasil”, disse Girão. Segundo o senador, a proposta já conseguiu as assinaturas necessárias.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A PEC que estabelece um novo regime de pagamentos de precatórios foi aprovada na última semana pelos deputados e agora será analisada pelo Senado. Após polêmicas na Câmara, principalmente relativas às conhecidas emendas de relator, o objetivo é dar mais transparência e viabilidade econômica ao texto, garante Girão.

A Câmara Federal tem orçamento secreto sim. Um orçamento que não tem transparência nenhuma e a gente no senado vai tentar colocar tudo às claras, com respeito ao teto. É possível a gente cortar na carne emendas parlamentares, aquelas famigeradas emendas de relator, que é ali que está o problema, quase R$ 15 bilhões que ninguém sabe para quem vai, e aí favorece o toma lá dá cá e a barganha política, isso não é saudável para a democracia”, completou o senador cearense.

Colunistas sempre disponíveis e acessos ilimitados. Assine O POVO+ clicando aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags