Participamos do

Conheça a trajetória do PL, próximo partido de Bolsonaro

Legenda do chamado "centrão", PL é presidido por condenado no Mensalão
17:34 | Nov. 08, 2021
Autor Carlos Holanda
Foto do autor
Carlos Holanda Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Próxima legenda que abrigará o presidente Jair Bolsonaro, o Partido Liberal (PL) já foi Partido da República (PR). O PR foi o resultado da fusão entre o PL e o Partido da Reedificação da Ordem Nacional (Prona). Em 2019, porém a legenda voltou a se chamar PL, sobretudo para enfatizar o "L" de liberal. 

O partido é presidido por Valdemar Costa Neto, condenado a sete anos e dez meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, em 2013, no âmbito do escândalo do Mensalão. 

O PL é protagonista do chamado "centrão", agrupamento de partidos que, em situações de normalidade política, compõem a base dos governos, independentemente das ideias defendidas por eles.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Quanto maior as bancadas destas legendas, mais influência para negociar cargos federais e poder de pressão terão sobre gestores.  Foi a tônica da atuação do PL em relação aos governos Lula (PT), Dilma Rousseff (PT), Michel Temer (MDB) e, agora, de Bolsonaro. 

A maioria dos deputados federais votou "sim" ao impeachment de Dilma, em 2016, numa articulação política capitaneada pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (MDB-RJ), e pelo então vice-presidente Michel Temer (MDB). 

Atualmente, o PL possui a terceira maior bancada da Câmara dos Deputados, com 43 parlamentares, atrás de PSL e PT, com 54 e 53 assentos, respectivamente. No Senado, de 81 congressistas, somente quatro são filiados à sigla. 

A tendência é de que a ida do presidente ultradireitista para a legenda atraia parlamentares de perfil ideológico ligados a ele, os chamados "bolsonaristas raiz".

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags