Participamos do

Túlio Gadelha critica apoio do PDT à PEC dos Precatórios, mas aposta em reviravolta

O pedetista parabenizou a atitude do ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes de anunciar que iria suspender sua candidatura em 2022 até que a bancada do meu partido reavalie sua posição
18:12 | Nov. 04, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Contrariando orientação dada pelo presidente estadual do PDT em Pernambuco, Wolney Queiroz, o deputado federal Túlio Gadelha anunciou seu voto contrário à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 23, medida pela qual o governo federal pretende adotar uma nova regra de parcelamento para o pagamento dos precatórios, que são dívidas da União já transitadas em julgado, a chamada PEC dos Precatórios.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, ele disse acreditar em uma reviravolta no segundo turno da votação. "O segundo-turno vem aí e a posição de Ciro Gomes ajuda bastante o PDT a consolidar esses votos contrários à PEC", disse, fazendo referência à decisão do ex-ministro de suspender sua pré-candidatura à Presidência até o PDT recuar de posição.  

No Twitter, Gadelha criticou a decisão do líder partidário e registrou que mais quatro parlamentares da bancada pedetista também não foram favoráveis ao texto aprovado ontem (03) pela Câmara Federal.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

“O PDT vai orientar a favor da PEC23. Foi um erro crasso que não condiz com sua história. Eu e outros cinco parlamentares votamos contrários à orientação do partido”, tuitou. Os deputados Paulo Ramos (PDT-RJ), Idilvan Alencar (PDT-CE), Pompeu de Mattos (PDT-RS), Gustavo Fruet (PDT-PR) e o deputado Chico D'Ângelo (PDT-RJ) acompanharam o voto do parlamentar pernambucano.

Esse é mais um episódio de afastamento entre Túlio Gadelha e o presidente estadual do PDT, Wolney Queiroz. Em 2020, Gadelha retirou sua canditatura à prefeito do Recife após decisão favorável à aliança nacional com a sigla socialista que envolveu apoiar a então candidatura do prefeito do Recife, João Campos (PSB).

O pedetista parabenizou a atitude do ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes de anunciar que iria suspender sua candidatura em 2022 até que a bancada do meu partido reavalie sua posição. "Agora o PDT terá um papel importante a cumprir. Não apenas para derrotar o governo Bolsonaro e suas manobras fisiológicas, mas se quiser recolocar em debate o projeto Ciro Gomes. Inclusive, parabéns pela postura", escreveu.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente