PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Entre os cinco países, o Brasil é o quinto que melhor se comportou na pandemia", diz Bolsonaro

Estudo publicado pelo Lowy Institute, grupo de pesquisa da Austrália, em janeiro deste ano classificou o Brasil como o país que pior gerenciou a pandemia de Covid-19 no mundo

12:15 | 20/07/2021
Além de serem defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro para o uso no tratamento precoce da Covid-19, os medicamentos do kit também foram defendidos por apoiadores do atual governo (Foto: Mateus Bonomi/AGIF/AE)
Além de serem defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro para o uso no tratamento precoce da Covid-19, os medicamentos do kit também foram defendidos por apoiadores do atual governo (Foto: Mateus Bonomi/AGIF/AE)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou na última segunda-feira, 19, que o Brasil foi um dos países que "melhor se comportou" ao longo da pandemia de coronavírus. Segundo o mandatário, o País foi o quinto que melhor lidou com a crise sanitária no mundo. A declaração, dada em entrevista à TV Brasil, viralizou nas redes sociais em tom de piada.

“O Brasil, em relação a outros países, é um dos que melhor... Entre os cinco países é o quinto que melhor se comportou no período da pandemia. E esse quase, se Deus quiser, pós-pandemia também. Então, o Brasil está de parabéns”, afirmou o presidente.

Estudo publicado pelo Lowy Institute, grupo de pesquisa da Austrália, em janeiro deste ano classificou o Brasil como o país que pior gerenciou a pandemia de Covid-19 no mundo. O levantamento analisou cerca de 100 países de acordo com seis critérios, como casos confirmados, mortes e capacidade de detecção da doença.

Durante a entrevista, Bolsonaro também comentou questões relacionadas ao aumento no valor do fundo eleitoral (de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões), aprovado pelo Congresso Nacional junto à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Segundo o presidente, ele vai vetar a medida, mas informações de bastidores sugerem que a base do governo trabalha para reduzir o valor para a casa dos R$ 4 bilhões; montante que ainda assim representa o dobro do valor de 2020.