PUBLICIDADE
Política
Noticia

Padres hostilizados por bolsonaristas são inscritos em programa de proteção do Estado

Lino Allegri e Oliveira Braga Rodrigues têm recebido ataques e ameaças após críticas contra Jair Bolsonaro durante missa em Fortaleza

Carlos Mazza
20:33 | 19/07/2021
Padre Lino Allegri (ao centro) na Casa do Povo da Rua, em Fortaleza (Imagem feita antes da pandemia) (Foto: Igor de Melo em 11/04/2012)
Padre Lino Allegri (ao centro) na Casa do Povo da Rua, em Fortaleza (Imagem feita antes da pandemia) (Foto: Igor de Melo em 11/04/2012)

Os padres Lino Allegri e Oliveira Braga Rodrigues, alvos de ameaças e ataques por simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro em Fortaleza, foram recebidos nesta segunda-feira, 19, no Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência (NUAVV), órgão do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE).

Em nota, o órgão diz que Lino e Oliveira aceitaram a inclusão de ambos no Programa Estadual de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos (PPDDH-CE). A solicitação para a inscrição dos religiosos já foi encaminhada ao programa, coordenado pela Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS).

>> LEIA TAMBÉM: Padre Lancellotti envia mensagem de apoio a Lino Allegri: "Estamos com você, meu irmão"

>> Políticos cearenses prestam solidariedade a padre Lino após perseguição

Na reunião, os sacerdotes relataram à promotora Joseana França, coordenadora do NUAVV, agressões que vêm recebendo na condução de missas na Paróquia da Paz, na Aldeota, desde o início de julho. “Ambos foram vítimas de várias condutas ilícitas por parte de algumas pessoas que frequentam a igreja”, diz nota do MPCE.

“Eles relataram os fatos e apresentaram demandas. O acolhimento foi realizado pelos profissionais do Núcleo e, na ocasião, foram apresentados os serviços prestados”, continua o documento. No último domingo, 18, o governador Camilo Santana (PT) anunciou que determinou a abertura de um inquérito para apurar possíveis ameaças contra os padres.

>> LEIA TAMBÉM: Hostilizado por bolsonaristas, padre Lino ganha rede de apoio nas redes sociais

Críticos do padre Lino acusam ele de utilizar a Igreja da Paz para fazer "proselitismo político" e "pregar o progressismo". As críticas começaram após o padre manifestar, durante uma missa de 4 de julho, críticas a Jair Bolsonaro e lembrar das mais de 500 mil mortes por Covid-19 no Brasil. Desde então, apoiadores do presidente têm realizado “vigílias” no local aos fins de semana, com direito a protestos e xingamentos contra o religioso.