PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Ministro da Educação faz oração para Bolsonaro

Bolsonaro não compareceu a uma cerimônia de lançamento das mudanças para o ensino médio porque deu entrada no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, na madrugada desta quarta-feira (14), para a realização de exames para investigar a causa de soluços que o acometem

10:53 | 14/07/2021
Ministro da Educação Milton Ribeiro. (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Ministro da Educação Milton Ribeiro. (Foto: Isac Nóbrega/PR)

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, rezou pela saúde do presidente Jair Bolsonaro, na manhã desta quarta-feira (14), na abertura da cerimônia de lançamento das mudanças para o ensino médio. "Lembramos pelo presidente da República e oramos pela sua pronta recuperação", disse antes do início da apresentação do novo programa.

Bolsonaro não compareceu ao compromisso porque deu entrada no Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, na madrugada desta quarta-feira (14), para a realização de exames para investigar a causa de soluços que o acometem. Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) declarou que o chefe do Executivo passa bem e ficará sob observação, no período de 24 a 48 horas, não necessariamente no hospital. Pelo ocorrido, nenhum compromisso consta mais na agenda oficial do presidente.

LEIA MAIS: Bolsonaro apresenta soluços em aparições públicas há 10 dias

Nas últimas semanas, Bolsonaro vinha apresentando soluços constantes. Na quarta-feira passada, dia 7, em entrevista à rádio Guaíba, o presidente abordou o assunto. "Peço desculpa a todos que estão me ouvindo, porque eu estou com soluço já tem cinco dias. Eu fiz uma cirurgia para implante dentário no sábado, já aconteceu comigo no passado, talvez, em função dos remédios que eu estou tomando, eu estou 24 horas por dia com soluço", disse. Em transmissão ao vivo nas redes sociais na quinta-feira (8), o quadro de soluço persistia

Hoje, na agenda oficial do presidente, estava previsto um encontro, às 11h, com os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux. A reunião seria realizada na sede do STF e foi proposta e articulada por Fux com o objetivo de apaziguar o ambiente entre os Poderes. No entanto, devido ao estado de saúde de Bolsonaro, foi preciso cancelar o encontro.