Participamos do

"Bolsonaro prevaricou", diz Omar Aziz sobre suspeita de corrupção na Covaxin

Azis afirmou que o presidente cometeu crime de prevaricação por não ter acionado os órgãos de controle para investigar um suposto esquema de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin
22:35 | Jun. 25, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou que o presidente Jair Bolsonaro cometeu crime de prevaricação por não ter acionado os órgãos de controle para investigar um suposto esquema de corrupção envolvendo a compra da vacina indiana Covaxin.

A declaração foi feita na noite desta sexta-feira, 25, durante depoimento do deputado Luis Miranda (DEM-DF) e do irmão do parlamentar, o chefe de importação do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda. Os irmãos sustentam que avisaram Bolsonaro, no dia 20 de março, sobre os indícios de irregularidades. 

Luis Miranda revelou que o líder do governo federal na Câmara, o deputado Ricardo Barros (Progressistas-PR), é o parlamentar citado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como envolvido no esquema de compra da vacina Covaxin. Mais cedo, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-ES) comunicou à presidência da CPI da Covid que convocará Barros para dar explicações sobre as suspeitas em torno da compra da vacina indiana.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Senadores governistas afirmaram que Bolsonaro acionou o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello para apurar o caso e que recebeu uma resposta de que não havia irregularidade. Essa versão foi sustentada hoje pelos senadores Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e Jorginho Mello (PL-SC), aliados de Bolsonaro. Pazuello, porém, foi exonerado três dias depois da reunião entre o presidente e Miranda. De acordo com Jorginho, essa informação foi repassada pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni.

Omar Aziz afirmou que, na cronologia dos fatos, é impossível confirmar a versão dos governistas. Nesta sexta-feira, 25, Bolsonaro disse que a Polícia Federal vai abrir um inquérito para apurar as suspeitas. "O presidente não mandou investigar absolutamente nada. Mandou investigar hoje, muito tempo depois. Para quem prega, para quem assaca, para quem joga flecha, para quem joga pedra em todos, ele prevaricou. Prevaricou. Prevaricou", disse Aziz.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags