PUBLICIDADE
Política
Noticia

Atos contra Bolsonaro reúnem manifestantes no Interior do Ceará

Manifestantes pedem o impeachment de Bolsonaro e defendem a celeridade no processo de vacinação no Brasil

16:15 | 19/06/2021
Manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro no interior do Ceará (Foto: Reprodução Sindsifce)
Manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro no interior do Ceará (Foto: Reprodução Sindsifce)

Na manhã deste sábado, 19, cidades do Interior do Ceará registraram manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Atos contra o chefe do Poder Executivo estão ocorrendo em todas as regiões do país. As cidades de Itapipoca, Morada Nova, Tauá, Tianguá, Jaguaribe e Limoeiro do Norte foram alguns dos municípios cearenses em que os manifestantes foram às ruas.

O Sindicato dos Servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (Sindsifce) liderou parte dos atos no interior do Estado. Além de pedirem a saída de Bolsonaro do poder, os manifestantes carregavam cartazes com mensagens que pediam agilidade no processo de vacinação e maiores cuidados com o conjunto educacional no país. A fome e o desemprego também foram causas lembradas durante o ato.

Fortaleza também possui manifestações programadas para a tarde desta sábado, 19. Os novos atos ocorrem menos de um mês após os últimos protestos realizados no dia 29 de maio. Pelas redes sociais, organizadores das manifestações como Sindsifce prometem realizar a entrega de máscaras PFF-2 para os manifestantes, além de tubos de álcool em gel. Organizadores pedem que as medidas de segurança sanitária sejam respeitadas durante os atos.

No último ato contra o presidente, realizado em Fortaleza, manifestantes fizeram uma carreata e também ocuparam as ruas do bairro Benfica. A Avenida Treze de Maio foi tomada por integrantes do movimento contrário ao presidente. Apesar da grande adesão das máscaras, aglomerações foram registradas durante o ato.

LEIA TAMBÉM| Brasil ultrapassa a marca de 500 mil mortes por Covid-19

Médicos cearenses protestam contra marca de 500 mil mortes por Covid-19 no Brasil