PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Dilma defende projeto que autoriza o uso medicinal da cannabis e relata tratamento da mãe

O PL 399/15, que dispõe sobre a autorização da comercialização de medicamentos derivados da cannabis, tramita em uma comissão especial na Câmara dos Deputados. Presidente Bolsonaro já chamou a proposta de "porcaria" e ameaça veto

17:08 | 24/05/2021
Dilma defende aprovação de projeto que autoriza o uso medicinal da cannabis e relata tratamento da mãe com óleo de cannabis medicinal após AVC
 (Foto: Reproducao)
Dilma defende aprovação de projeto que autoriza o uso medicinal da cannabis e relata tratamento da mãe com óleo de cannabis medicinal após AVC (Foto: Reproducao)

Em vídeo, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) pediu pela aprovação projeto de lei 399/15, que autoriza a comercialização de medicamentos derivados da cannabis. Ela relatou a experiência da mãe que, após sofrer um AVC aos 95 anos, passou a sofrer contratura dolorosa e cefaleia crônica, e recebeu um tratamento com óleo de cannabis medicinal. “Conseguimos propiciar à minha mãe um último ano de vida sem dor, com dignidade”, contou a ex-presidente.

“Nada é pior que ver quem amamos sentir dor e sem poder fazer nada, porque os tratamentos convencionais não eram eficazes”, disse Dilma, que completou: “Por tudo isso, eu me somo à campanha da aprovação do PL 399”.

No registro, a petista ainda agradeceu à Associação Brasileira de Pacientes de Cannabis Medicinal (AMA+ME), que viabilizou a alternativa terapêutica para a sua mãe. “Desejo vida longa à Associação, que possam cada vez mais ajudar brasileiras e brasileiros a viverem sem dor, como ajudaram a mim e a minha família”, destacou.

O PL 399 tramita em uma comissão especial na Câmara dos Deputados. O texto original é de autoria do deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE). O relator da comissão, o deputado Luciano Ducci (PSB-PR), apresentou no último dia 20 de abril um substitutivo que amplia a ideia inicial do projeto e prevê o plantio, o cultivo e a colheita de qualquer variedade da cannabis para fins medicinais, uso em pesquisas científicas e na indústria. A votação do parecer final, no entanto, foi adiada.

Desde o início dos trabalhos, deputados governistas que participam da comissão tentam obstruir as votações. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) também já ameaçou vetar o projeto caso seja aprovado, durante conversa com apoiadores no dia 11 de maio. “Ridículo até, né, um país com tantos problemas (e) o cara desperdiçando força para votar uma porcaria de um projeto desses”, declarou o presidente.