PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Meu Exército não vai obrigar o povo a ficar em casa", diz Bolsonaro sobre lockdown

Presidente tem feito constantes discursos contra as medidas, alegando que as ações, recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como eficazes no combate à Covid-19, prejudica a economia do País.

Filipe Pereira
15:44 | 08/03/2021
Presidente da República, Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Presidente da República, Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou nesta segunda-feira, 8, a criticar as medidas de isolamento adotadas por Estados e municípios para conter a propagação da Covid-19. Na ocasião, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, o gestor disse que não usará o que afirma ser "meu Exército" para "obrigar o povo a ficar em casa". 

"Vou só dar um recado aqui: alguns querem que eu decrete lockdown. Não vou decretar. E pode ter certeza de uma coisa: o meu Exército não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa. O meu Exército, que é o Exército de vocês. Então, fiquem tranquilos no tocante a isso daí", disse. 

A declaração aconteceu logo após os governadores de São Paulo, Pará e o Distrito Federal determinarem medidas mais severas para conter o avanço do vírus, como o fechamento de comércio e de escolas para reduzir a circulação de pessoas. O Ceará ficará em lockdown até o próximo dia 19 de março. Em retaliação, Bolsonaro tem feito discursos contra as medidas, alegando que as ações, recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como eficazes no combate à Covid-19, prejudicam a economia do País. 

Na semana passada, o chefe do Executivo considerou também que o isolamento e o fechamento de comércios fazem parte de um "tratamento errado”. "A própria Bíblia diz 'Não temas'". Durante a fase de pior momento da pandemia no Brasil, ele minimizou as mediadas, classificando os esforços como "mimimi". No mesmo momento, o presidente afirmou que o brasileiro tem que enfrentar vírus.

Confira o pronunciamento:


Em outro momento do dia, sem máscara e rodeado por apoiadores, o gestor falou sobre a demanda por imunizantes. "Tem idiota que a gente vê nas redes sociais, na imprensa, (dizendo) 'vai comprar vacina'. Só se for na casa da tua mãe. Não tem (vacina) para vender no mundo", disse. 

LEIA MAIS l No dia em que é anunciado lockdown em Fortaleza, Bolsonaro diz: 'No que depender de mim, nunca teremos lockdown'

Em discurso veiculado pela TV Brasil, o presidente se referiu ao fechamento do comércio como "frescura". "Até quando vamos ficar dentro de casa? Até quando vai se fechar tudo? Ninguém aguenta mais isso", reforçou. "Atividade essencial é toda aquela necessária para o chefe de família levar o pão para dentro de casa, porra", afirmou, mais uma vez defendendo que a economia não pode parar. A frase foi postada em sua conta no Twitter.