PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Após fim do motim de policiais no Ceará, Bolsonaro encerra GLO antes do previsto no Estado

Jair Bolsonaro publicou decreto que encerra a operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Estado

17:06 | 04/03/2020
Forças Armadas estavam atuando no Estado com tropas em veículos e a pé, além de blindados e helicópteros
Forças Armadas estavam atuando no Estado com tropas em veículos e a pé, além de blindados e helicópteros (Foto: Bárbara Moira)

Após o fim da paralisação dos policiais militares no Ceará, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou nesta quarta-feira, 4, decreto que encerra antes do previsto a operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) no Estado.

A GLO inicialmente estava marcada para durar até a próxima sexta-feira, 6. Desde esta manhã, as Forças Armadas estão se preparando para deixar o Ceará. O Exército está conduzindo uma fase de transição, em que o controle operacional da segurança pública está sendo devolvido ao Governo do Estado.

O retorno a seus locais de origem deve acontecer de forma gradual, de acordo com a disponibilidade de aeronaves para realizar o transporte. A população ainda poderá ver tropas trafegando pelo Estado após o fim da operação, mas apenas com fim de locomoção — nenhum patrulhamento será realizado.

A saída dos militares do Estado deve acontecer apenas após o decreto do fim da GLO.
A saída dos militares do Estado deve acontecer apenas após o decreto do fim da GLO. (Foto: MAURI MELO/O POVO)

A operação Mandacaru contou com efetivo de 2,5 mil militares de cinco estados, além de 300 viaturas. O objetivo foi garantir a preservação da ordem pública e o restabelecimento das condições de normalidade no Estado. Policiais militares do Ceará iniciaram paralisação na tarde de terça-feira, 18 de fevereiro, em protesto contra plano de reestruturação salarial de policiais e bombeiros militares do Ceará.

>> Conheça a rotina das tropas da Operação Mandacaru em Fortaleza

Em coletiva no último dia 26, o Exército afirmou que a ação resultou na redução em 35% no número de homicídios desde o dia 21 de fevereiro.