PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Moro pede fim da "paralisação ilegal dos policiais" no Ceará

Em vídeo publicado em suas redes sociais, o ministro da Justiça também pediu o fim da exploração política da situação

12:26 | 01/03/2020
Sobre a greve da PM no Ceará, Moro afirma que policiais não podem ser tratados como criminosos. (Fotos: Fabio Lima/O POVO)
Sobre a greve da PM no Ceará, Moro afirma que policiais não podem ser tratados como criminosos. (Fotos: Fabio Lima/O POVO) (Foto: FÁBIO LIMA/O POVO)

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, em vídeo publicado em suas redes sociais, disse que a paralisação de policiais militares do Ceará, amotinados desde 18 de fevereiro, é inconstitucional. "Policiais têm que ser valorizados, mas a paralisação é, realmente, é algo que a constituição não permite", disse. Moro afirmou que o Governo Federal agiu rapidamente para atender a população cearense "e não deixar ela desprotegida".

Diante do motim dos policiais militares no Ceará, o governador do Estado, Camilo Santana, formalizou ao presidente da República, Jair Bolsonaro, o pedido para uso de tropas das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Forças Armadas devem ficar no Ceará até a próxima sexta-feira, 6.

Ainda no vídeo, Moro disse que a solução desse problema passa pelo fim da "paralisação ilegal" de alguns agentes e ainda pediu pelo fim da exploração política do tema. "Nós temos que parar de explorar politicamente, tanto dentro do estado do Ceará quanto fora, essa situação. Exploração política do episódio não ajuda. Nós temos que respeitar os poderes que estão envolvidos nessa negociação", criticou o ministro.

Durante negociações da comissão que articula saída para a crise de paralisação de policiais militares no Ceará, o procurador-geral do Estado, Juvêncio Vasconcelos, reforçou nesta sexta-feira, 28, que não haverá anistia administrativa para agentes envolvidos em motins.

Confira a publicação: