PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Após briga na Câmara, Antonio Henrique sai em defesa de Marcio Cruz e de todos os vereadores

"Não vamos admitir que episódios como esse se repitam", disse o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza

Carlos Holanda
18:45 | 04/02/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 10-10-2019: Antonio Henrique, presidente da Câmara Municipal de Fortaleza. Solenidade de lançamento da Infancia Protegida na Câmara Municipal de Fortaleza. (Foto: Mauri Melo/O POVO).
FORTALEZA, CE, BRASIL, 10-10-2019: Antonio Henrique, presidente da Câmara Municipal de Fortaleza. Solenidade de lançamento da Infancia Protegida na Câmara Municipal de Fortaleza. (Foto: Mauri Melo/O POVO). (Foto: Mauri Melo)

O presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Antônio Henrique (PDT), escolheu lado no acaloramento de ânimos que envolveu o vereador Marcio Cruz (PDS) e o agora ex-secretário de Segurança Pública de Fortaleza, Antônio Azevedo. Em nota enviada à reportagem do O POVO, ele saiu em defesa de todos os vereadores diante do ocorrido, que envolveu tomada de microfone durante a sessão. 

Azevedo interrompeu curso das atividades após pronunciamento de Cruz, que o denunciou de envolvimento com organização criminosa comandada por Farhad Marvizi, acusado de pelo menos 11 assassinatos. "Cadê o vagabundo do Marcio Cruz?", perguntou, nervoso, durante pronunciamento de Plácido Filho (PSDB). Cruz já estava fora do plenário.  A sessão foi finalizada após o momento de estresse.

Henrique, que se pronunciou na Assembleia após o fato, reafirmou em nota que o plenário é o ambiente mais democrático de qualquer casa legislativa, onde ocorrem as mais importantes discussões sobre a Cidade. "Também é o lugar onde os vereadores apresentam questões relativas ao seu dever de fiscalizar o Poder Executivo", adicionou.

Enquanto principal condutor dos trabalhos da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor), Henrique apregoou que tem o dever de preservar prerrogativas do parlamentar, como a livre expressão de palavras e votos, por exemplo. "Lamentamos e repudiamos o ocorrido e reiteramos que não vamos admitir que episódios como esse se repitam."

O vereador pontuou que o Regimento Interno da Câmara assegura a qualquer pessoa que seja alvo de denúncia, fundada ou não, o direito de resposta. "Eu, como presidente, me solidarizo com todos os vereadores e, junto à Mesa Diretora, tomaremos as providências necessárias para que a Tribuna seja respeitada"