PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

No 7 de setembro, apoiadores de Bolsonaro vestem verde e amarelo e opositores vestem preto: vote em quem vence

Presidente pediu para brasileiros vestirem verde e amarelo durante solenidades do Dia da Pátria, repetindo gesto de Collor antes do impeachment, como Bolsonaro mesmo lembrou. Já os opositores prometem vestir preto

18:27 | 06/09/2019
Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro(Foto: AFP)

No primeiro Dia da Pátria de seu mandato, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) pediu para que os brasileiros vistam-se de verde e amarelo neste sábado, 7 de setembro. Sua intenção é “mostrar ao mundo” a soberania do País em relação à Floresta Amazônica. Por outro lado, oposição convoca manifestação com roupas pretas. Este 7 de setembro promete ser o da disputa entre preto contra verde amarelo nas ruas.

O pedido do presidente é uma tentativa de demonstrar união dos brasileiros, durante as celebrações do Dia da Independência do Brasil. A pretensão é que a população mostre apoio às ações do Governo Federal em relação às políticas direcionadas para o meio ambiente. O argumento é de que líderes mundiais percebam a força do Brasil nessa questão.

"A gente apela para quem estiver em Brasília, quem por ventura estiver no Rio de Janeiro, em São Paulo, que compareça de verde e amarelo. Eu lembro lá atrás que um presidente disse isso e se deu mal. Mas não é o nosso caso. O nosso caso é o Brasil, não é para me defender ou defender quem quer que seja. É para mostrar ao mundo que aqui é o Brasil, que a Amazônia é nossa", declarou na última terça-feira, 3.

No que diz respeito ao presidente que “se deu mal”, Bolsonaro se referiu a Fernando Collor de Mello, no ano de 1991. À época, vivendo desgaste pelo iminente impeachment que sofreria, o mandatário brasileiro afirmou: “Vamos inundar este Brasil de verde e amarelo, mostrar nossas bandeiras, as cores que animam o nosso espírito. Assim estaremos mostrando onde está a verdadeira maioria.”

Todavia, naquele 7 de setembro, o maior movimento de oposição a Collor – os “caras-pintadas” – saiu às ruas de preto, como forma de contestação, pedindo a saída do presidente do poder. Em 29 de dezembro de 1992, ele renunciou à Presidência, instantes antes de o impeachment ser aprovado no Senado.

Assista quando Collor pediu para o povo vestir verde e amarelo:

Assista Bolsonaro pedindo para povo ir às ruas de verde e amarelo:

Em contraponto, opositores convocam ato similar ao de 27 anos atrás. Durante esta sexta-feira, 6, usuários subiram as hashtags “#Dia7EuVouDePreto” e “#Dia7DePretoNaRua”, no Twitter. Perfis da Central Única dos Trabalhadores (CUT), União Nacional dos Estudantes (UNE), da ex-candidata à vice-presidência Manuela Dávila e dos deputados federais José Guimarães e Jandira Feghali compartilharam as mensagens.

Em vídeo que circula na rede social, o presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Pedro Gorki, explica que os estudantes estão chamando os brasileiros a se vestirem de preto. “Em luto e em luta pela Amazônia, pela educação e pelo Brasil. Vamos mostrar no dia 7 que patriota não é aquele que bate continência à bandeira americana”, afirma.

“#VoltaPT”

Ainda em oposição a declarações feitas pelo presidente, usuários tomaram o Twitter com a hashtag “#VoltaPT”. Disse Bolsonaro: "Estou recebendo muita crítica de gente que votou em mim. Se não acredita em mim, e continua fazendo esse trabalho de não acreditar, eu caio mais cedo, e mais cedo o PT volta." Como resposta, a tag ficou entre as mais lidas da rede social no Brasil durante esta sexta-feira.