PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

PSDB protocola representação contra André Fernandes no Conselho de Ética da AL-CE

A medida vem após o deputado do PSL apresentar denúncia no MPCE, informando que um integrante da AL-CE teria envolvimento com facções criminosas

17:22 | 19/06/2019
André Fernandes: nome no Conselho de Ética
André Fernandes: nome no Conselho de Ética (Foto: Junior Pio/AL-CE)

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) oficializou nesta quarta-feira, 19, representação por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE), contra o deputado estadual André Fernandes (PSL).

LEIA MAIS | Denúncia de André Fernandes contra deputado não tem provas e confunde e-sports com jogo do bicho

A medida vem após o deputado do PSL apresentar denúncia no Ministério Público do Ceará (MPCE), informando que Nezinho Farias (PDT) teria envolvimento com facções criminosas no Estado.

O documento protocolado por André na última sexta-feira, 17, alega que a campanha de Nezinho seria "financiada" pelo PCC e ele seria o "representante estadual da facção". Em resposta, o pedetista classificou como "irresponsáveis" as acusações de Fernandes.

A representação é assinada pela executiva estadual do PSDB. Agora, a ação será encaminhado à ouvidoria do Conselho de Ética para elaboração de um parecer, a ser apreciado em seguida pelos integrantes do Colegiado.

LEIA MAIS | "Estou indignado com irresponsabilidade dele", diz deputado acusado por André Fernandes

Luiz Pontes, presidente da sigla no Estado, disse que o Conselho está sendo "provocado" para que “medidas cabíveis” sejam tomadas "em caso de constatação de desvio de conduta ética e moral por parte de possíveis envolvidos com o crime organizado ou por leviandade e quebra do decoro parlamentar, em caso de improcedência da fala" do pesselista”.

Conforme o PSDB-CE, entre as sanções previstas no Conselho estão: a perda do mandato, medidas disciplinares, como censura verbal ou escrita ou mesmo a suspensão temporária do exercício do mandato por quebra de decoro parlamentar.

Redação O POVO Online