PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Neymar da Penha": deputado apresenta proposta para tornar mais dura pena de falsa denúncia de crime sexual

Carlos Jordy diz que já planejava o projeto, mas que o protocolou agora graças à recente polêmica envolvendo Neymar, que está sendo acusado de estupro

19:49 | 06/06/2019
Carlos Jordy diz que já planejava o projeto, mas que o protocolou agora graças à recente polêmica envolvendo Neymar, que está sendo acusado de estupro
Carlos Jordy diz que já planejava o projeto, mas que o protocolou agora graças à recente polêmica envolvendo Neymar, que está sendo acusado de estupro (Foto: Câmara dos Deputados / Divulgação )

O deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ) protocolou nesta quinta-feira, 6, na Câmara dos Deputados, projeto de lei que visa criminalizar falsas denúncias de crimes sexuais. A proposta está sendo chamada de “Neymar da Penha”, em alusão à Lei Maria da Penha, que busca coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. De acordo com o parlamentar, a proposição já estava planejada, mas a recente polêmica envolvendo o jogador da seleção brasileira antecipou a apresentação.

“Protocolei o PL 3369/19, que agrava a pena de denunciação caluniosa de crimes contra a dignidade sexual. Se aprovado, pessoas que fizerem acusações mentirosas, por exemplo, sobre crime de estupro, dando ensejo a investigações e processos poderão ter a pena aumentada em até ”, escreveu Jordy no Twitter.

Chamada nas redes sociais de “lei Neymar da Penha”, a proposta “serve para coibir condutas inconsequentes que podem prejudicar a vida de inocentes”, complementou o deputado em outra postagem.

Nos últimos dias, o jogador Neymar foi acusado pela modelo Najila Trindade de tê-la estuprado. Em entrevista ao SBT, ela confirmou que teria uma relação sexual consensual com o atleta até saber que nenhum dos dois tinham preservativo contraceptivo. Ao negar a continuação do ato, a mulher alega que o atacante ficou agressivo e a agrediu. “Fui vítima de estupro. Agressão juntamente com estupro", declarou.

O jogador do Paris Saint-German gravou no último sábado, 1º de junho, vídeo negando as acusações, mas depois apagou o conteúdo.

O Povo