PUBLICIDADE
Mundo
Alemanha

Alemanha destina 1 milhão de euros para vítimas da Colonia Dignidad

17:07 | 09/11/2018
Imagem da década de 1980 mostra entrada da Colonia DignidadDinheiro será aplicado em serviços de apoio às vítimas. Colônia alemã no Chile foi palco de abusos sexuais, trabalho escravo e tortura de opositores da ditadura militar.A Comissão de Orçamento do Bundestag (Parlamento alemão) aprovou nesta sexta-feira (09/11) destinar 1 milhão de euros em 2019 para as vítimas da Colonia Dignidad. A colônia alemã no Chile foi palco de crimes que vão desde abusos sexuais de menores à tortura de opositores da ditadura de Augusto Pinochet.

"Os crimes horríveis na Colonia Dignidad só puderam acontecer porque a embaixada alemã no Chile, apesar dos muitos pedidos de ajuda, não interveio", afirmou o presidente da Comissão Parlamentar do Trabalho e Social, Matthias Bartke, do Partido Social-Democrata (SPD). "Essa passividade foi um dos capítulos mais obscuros da diplomacia alemã no pós-Guerra", acrescentou.

O montante aprovado será destinado a fornecer serviços de apoio de que as vítimas necessitam. De acordo com o porta-voz de direitos humanos da bancada conjunta da União Democrata Cristã (CDU) e União Social Cristã (CSU), Michael Brand, o dinheiro ficará bloqueado até ser elaborado um plano concreto para sua aplicação.

Uma comissão formada por parlamentares e representantes do governo está encarregada de elaborar esse plano. Para isso, eles se reunirão com especialistas e associações de vítimas. A proposta deve ficar pronta até meados de 2019. A verba se soma aos 800 mil euros já aprovados para a construção de um centro de encontro e memória.

A Colonia Dignidad foi estabelecida em 1961 por colonos alemães liderados pelo ex-suboficial nazista Paul Schäfer. Ele transformou o lugar, a 350 quilômetros ao sul de Santiago, numa espécie de seita, onde praticava pedofilia e onde ninguém podia entrar nem sair sem sua autorização.

Durante a ditadura militar no Chile, entre 1973 e 1990, o local foi também utilizado como centro de detenção ilegal, onde se praticou tortura e se assassinaram opositores do regime. A Colonia Dignidad também serviu como depósito de armas e foi um reduto de trabalho escravo infantil.

Entre 1961 e 2005, cerca de 300 pessoas que seguiram Schäfer foram submetidas a trabalhos forçados, castigos, manipulações mentais, além dos abusos sexuais praticados contra menores.

Em 2005, Schäfer foi detido na Argentina e extraditado para o Chile, onde foi condenado a 33 anos de prisão por homicídio, tortura e abuso sexual. Ele morreu na prisão, em 2010.

CN/efe/afp/kna/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube

| WhatsApp | App | Instagram | Newsletter



DW Brasil